•  

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Sermion®

    nicergolina

    Identificação do Medicamento

    Nome comercial: Sermion®

    Nome genérico: nicergolina

    Apresentação:

    Sermion?30 mg em embalagem contendo 20 comprimidos revestidos.

    VIA DE ADMINISTRAÇÃO: USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS

    Composição:

    Cada comprimido revestido de Sermion® contém 30 mg de nicergolina. Excipientes: fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, croscarmelose sódica, celulose microcristalina, estearato de magnésio, Opadry® laranja (hipromelose, propilenoglicol, talco, dióxido de titânio e corante amarelo FD&C nº 6 de alumínio laca) e cera de carnaúba.

    Informações ao Paciente

    Para que este medicamento é indicado?

    Sermion®(nicergolina) está indicado para o tratamento de transtornos metabólico-vasculares cerebrais (doença do metabolismo e circulação cerebrais), agudos e crônicos (por exemplo, arteriosclerose cerebral, trombose e embolia cerebral, decaimento cerebral decorrente do envelhecimento e síndrome psico-orgânica -demências senis e pré-senis -e isquemia cerebral transitória). Sermion® também é indicado para transtornos metabólico-vasculares periféricos, agudos e crônicos, arteriopatias orgânicas e funcionais dos membros (aneurisma, aterosclerose, trombose), doença de Raynaud (condição que afeta o fluxo sanguíneo nas extremidades do corpo, mãos e pés, assim como dedos, nariz, lóbulos das orelhas, quando submetidos a frio intenso ou estresse) e outras síndromes por alteração da circulação periférica.

    Como este medicamento funciona?

    Sermion?,após a tomada do comprimido, é absorvido e transformado quimicamente pela ação do fígado em outras substâncias químicas derivadas da nicergolina que exercerão seu efeito em diferentes regiões do sistema nervoso central(SNC). Administrado oralmente, Sermion® exerce múltiplas ações químicas no cérebro: melhora o aproveitamento da glicose pelo cérebro,a produção de proteínas e ácido nucleico (componentes do DNA e RNA),além de atuar também em sistemas de neuro transmissão (informações transmitidas pelas células nervosas). Sermion® melhora as funções cerebrais relacionadas à acetilcolina (substância que auxilia na atenção,memória e raciocínio). Em alguns estudos, os efeitos observados associaram-se a uma melhora comportamental, tal como na observada durante o teste do labirinto, em que Sermion® induziu em animais mais velhos uma resposta semelhante àquela observada em mais jovens.  Sermion® também diminuiu o prejuízo cognitivo provocado por diferentes condições(baixa oferta de oxigênio ao cérebro, terapia com eletrochoque (ECT),escopolamina (remédio para cólica)em animais.

    Quando não devo usar este medicamento?

    Sermion® não deve ser administrado em caso de infarto do miocárdio(falta de sangue para o músculo docoração)recente, hemorragia (sangramento) aguda, bradicardia(diminuição dos batimentos cardíacos) acentuada, hipotensão ortostática (diminuição da pressão arterial ao levantar),hipersensibilidade(alergia)à nicergolina(substância ativa de Sermion®),a alcaloides da ergotamina ou a qualquer componente da fórmula.Este medicamento é contraindicado para menores de 18 anos.

    O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Antes de usar Sermion você deve saber que, embora muito raramente, em alguns estudos com doses únicas ou fracionadas de Sermion®, observou-se uma potencial diminuição da pressão arterial máxima e, em um grau muito menor, da pressão sanguínea mínima em pacientes com pressão sanguínea normal ou elevada. Sermion® deve ser usado com cautela em pacientes com ácido úrico elevado no sangue ou histórico de gota(inflamação das pequenas juntas devido ao nível elevado de ácido úrico no sangue) e/ou em tratamento com remédios que interferem no metabolismo e eliminação do ácido úrico. Remédios com efeito semelhante ao da adrenalina (receptor alfa e beta) devem ser usados com cautela em pacientes em uso de Sermion®(vide Interações Medicamentosas).
    Uso durante a Gravidez e Lactação: Os estudos toxicológicos não conseguiram demonstrar o efeito teratogênico (que causa malformação embriológica ou fetal) de Sermion?. Os estudos não foram realizados com mulheres grávidas. Dadas as indicações aprovadas, o uso de Sermion®em mulheres grávidas e lactantes é improvável. Sermion® somente deve ser usado durante a gravidez se o benefício potencial para a paciente justificar o risco potencial para o feto.Não se sabe se Sermion®é excretado no leite materno em humanos. Portanto, o uso de Sermion®não é recomendado durante a amamentação. Sermion®não afetou a fertilidade em um estudo com ratos machos.Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Efeitos na Habilidade de Dirigir e Operar Máquinas: Embora os efeitos clínicos de Sermion® incluam a melhora da atenção e concentração, seus efeitos na capacidade de dirigir e operar máquinas não foram especificamente estudados. Ao dirigir ou operar máquinas, considere que, às vezes,podem ocorrer tontura e sonolência. Interações Medicamentosas: Sermion® pode aumentar o efeito de medicações utilizadas para tratar pressão alta ou que possuam efeito contrário àqueles que são provocados pela adrenalina (ex: o propranolol usado para abaixar a pressão sanguínea pode ter seu efeito aumentado por Sermion?; por outro lado, remédios que são utilizados como descongestionantes nasais que causam contração dos vasos sanguíneos podem ter seu efeito diminuído devido ao uso concomitante ao Sermion.) (vide item 4. O que devo saber antes de usar esse medicamento?). Pode ocorrer interação com outros medicamentos que são metabolizados ou transformados por uma enzima ou proteína chamadaCYP2D6.O significado dessas interações entre remédios diferentes é que podem ocorrer interferências, ou seja, alguns medicamentos acelerarem a eliminação de Sermion?ou retardá-la, aumentando seu efeito; da mesma forma que Sermion?pode aumentar ou diminuir a eliminação de outros medicamentos que por ventura sejam usados durante o tratamento com Sermion?. Essas potenciais interações entre medicamentos sempre deve ser avaliada pelo médico responsável. Sermion® pode aumentar o efeito de medicações que interferem na coagulação sanguínea(ex: anticoagulantes usados para tratar ou prevenir tromboses)prolongando o tempo de sangramento. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

    Onde,como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    Sermion® deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC) e em lugar seco. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças. Características do produto: comprimido revestido redondo, biconvexo, de cor laranja, superfície lisa e brilhante.

    Como devo usar este medicamento? 

    Você deve tomar Sermion? segundo a dose recomendada de 30 a60 mg ao dia, dividida em doses, conforme orientação médica.A dose e a duração do tratamento dependem da gravidade da doença. Uso em idosos: O ajuste de dose não é necessário para pacientes idosos. Uso em crianças:A segurança e eficácia da Sermion® em crianças não foram estabelecidas. Não há dados disponíveis. Uso em pacientes com insuficiência renal: Pacientes com a função renal comprometida (creatinina sanguínea ? 2%) devem usar doses menores em comparação aos pacientes com função normal dos rins. O tempo de tratamento é prolongado, portanto o efeito é notado de forma gradual. Há necessidade de consultar o médico em intervalos não superiores a 6 meses para reavaliar a necessidade e a relação custo/benefício de se manter o tratamento.Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico. Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

    O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Se você esquecer-se de tomar Sermion® no horário estabelecido pelo seu médico, tome-o assim que lembrar. Entretanto, se já estiver perto do horário de tomar a próxima dose, deve desconsiderara dose esquecida e tomar a próxima, continuando normalmente o esquema de doses recomendado pelo seu médico. Neste caso, não tome o medicamento em dobro para compensar doses esquecidas. O esquecimento de dose pode comprometer a eficácia do tratamento. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Reação comum(ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): desconforto abdominal (barriga). Reações incomuns(ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento):agitação, confusão, insônia, sonolência, tontura, dor de cabeça, hipotensão, vermelhidão na pele, intestino preso, diarreia, náusea, coceira, aumento de ácido úrico no sangue. Frequência não conhecida(não pode ser estimada a partir dedados disponíveis): sensação de calor, rash (erupção cutânea)e fibrose.Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    A ingestão de altas doses de Sermion® pode induzir uma redução transitória na pressão sanguínea. Geralmente, nenhum tratamento é necessário, basta deitar-se por alguns minutos. Em casos excepcionais, se o mal estar não passar, é recomendável procurar,o mais rápido possível, orientação ou conduta médica adequada.Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

    DIZERES LEGAIS

    MS -1.2110.0426

    Farmacêutica Responsável: Edina S. M. Nakamura –CRF-SP n?9258

    Registrado por:Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Rua Alexandre Dumas, 1.860

    CEP 04717-904 -São Paulo –SPCNPJ nº 61.072.393/0001-33

    Fabricado e Embalado por:Pfizer S.A. de C.V.Toluca, Estado do México -México

    Importado por:Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Rodovia Presidente Castelo Branco nº 32.501, Km 32,5 CEP 06696-000 -Itapevi –SP

    VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

    Tags: , , , , , , , , , , ,

  • solu-medrol-e-indicado-para-alguns-disturbios-endocrinos-altercao-do-funcionamento-das-glandulas

     

     

     

     

     

     

     

     

    SOLU-MEDROL®

    succinato sódico de metilprednisolona

     Identificação do Medicamento:

    Nome comercial: Solu-Medrol®
    Nome genérico: succinato sódico de metilprednisolona

     Apresentações:

    Solu-Medrol® pó liofilizado de 40 mg em embalagem contendo 1 frasco-ampola +  1 ampola de diluente de 1mL. Solu-Medrol® pó liofilizado de 125 mg em embalagem contendo 1 frasco-ampola + 1 ampola de diluente de 2 mL. Solu-Medrol® pó liofilizado de 500 mg em embalagem contendo 1  frasco-ampola + 1 frasco-ampola de diluente de 8 ml.  Solu-Medrol® pó liofilizado de 1 g em embalagem contendo 1 frasco-ampola + 1 frasco-ampola de diluente de 16 ml.  VIAS DE ADMINISTRAÇÃO: USO INJETÁVEL POR VIA INTRAVENOSA OU INTRAMUSCULAR. USO ADULTO E PEDIÁTRICO.

    Composição:

    Cada frasco-ampola de Solu-Medrol® pó liofilizado 40 mg contém succinato sódico de metilprednisolona equivalente a 40 mg de metilprednisolona. Após reconstituição do pó liofilizado com 1 mL de diluente, cada mL de Solu-Medrol® contém o equivalente a 40 mg de metilprednisolona. Excipientes: fosfato de sódio monobásico monoidratado, fosfato de sódio dibásico seco, lactose e hidróxido de sódio a. a = para ajuste de pH. Cada frasco -ampola de Solu-Medrol® pó liofilizado 125 mg, 500 mg ou 1 g, contém succinato sódico de metilprednisolona equivalente a 125 mg, 500 mg ou 1 g de metilprednisolona. Após reconstituição do pó liofilizado com 2 mL, 8 mL ou 16 mL de diluente, respectivamente, cada mL de Solu-Medrol® contém o equivalente a 62,5 mg de metilprednisolona. Excipientes: fosfato de sódio monobásico monoidratado, fosfato de sódio dibásico seco e hidróxido de sódio a. a = para ajuste de pH. Diluente: água para injetáveis e álcool benzílico. Reconstituir o produto apenas com o diluente que acompanha a embalagem. A quantidade de álcool benzílico em cada mL é de 0,9mg.

     Informações ao Paciente:

     Para que este medicamento é indicado?

    Solu-Medrol® (succinato sódico de metilprednisolona) é indicado para alguns distúrbios endócrinos (alteração do funcionamento de glândulas), reumáticos ( doenças inflamatórias crônicas) , doenças do colágeno e do complexo imune (p. ex., lúpus eritematoso sistêmico, entre outros), doenças dermatológicas (da pele), estados alérgicos, doenças oftálmicas (dos olhos), gastrointestinais e respiratórias, distúrbios hematológicos (das células do sangue), doenças neoplásicas (câncer), estados edematosos (inchaço), doenças do sistema nervoso, entre outros.

     Como este medicamento funciona?

    Solu-Medrol® é um potente esteroide sintético (tipo de hormônio produzido em laboratório) com função anti-inflamatória (medicamento que controla a reação do sistema de defesa a agressão) e metabólica.

     Quando não devo usar este medicamento?

    Leia também as respostas 4 e 8. Você não deve usar Solu-Medrol® : (1) se tiver hipersensibilidade (alergia) conhecida à metilprednisolona ou a qualquer componente da fórmula. A apresentação de succinato sódico de metilprednisolona de 40mg contém lactose monoidratada produzida do leite de vaca. Esta apresentação é então contraindicada a pacientes com hipersensibilidade conhecida ao leite de vaca ou seus componentes ou outros laticínios porque podem conter traços de ingredientes do leite ; (2) se tiver infecções sistêmicas (no organismo) por fungos; (3) para uso pelas vias de administração intratecal (diretamente no espaço onde corre o líquido espinhal) e epidural ( espaço entre a dura-máter e a parede do canal raquidiano ). A administração de vacinas de microrganismos vivos ou atenuados (vivos, mas muito fracos) não é indicada se você estiver recebendo doses imunossupressoras (que reduzem a atividade ou eficiência do sistema de defesa) de corticosteroides ( hormônio esteroide).

     O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Leia também as respostas 3 e 8. Durante o tratamento com hormônios esteroides, como o Solu-Medrol®, em doses imunossupressoras, a pessoa não deve receber vacina com vírus vivos ou atenuados. Não há problemas em receber vacinas de microrganismos mortos ou inativados (sem capacidade de produzir doenças), mas a resposta à vacina pode ser diminuída. O uso de esteroides, medicamentos da classe do Solu-Medrol® podem: (1) aumentar o risco de infecções; (2) reativar focos de tuberculose; (3) desencadear transtornos psíquicos tais como euforia, insônia, oscilações do humor e da personalidade, depressão e importantes alterações do comportamento. Pessoas com tendência a instabilidade emocional e distúrbios de personalidade (psicose) têm mais chances de desenvolver esse problema. Deve-se usar Solu-Medrol® com cautela em pacientes com: (1) histórico de alergia a outros medicamentos, (2) insuficiência renal (redução total da função dos rins), (3) diabetes, (4) miastenia grave (tipo de doença em que o corpo agride os músculos e nervos dele mesmo), (5) pacientes com herpes simples ocular, (6) insuficiência cardíaca congestiva (coração incapaz de bombear sangue a uma taxa satisfatória às necessidades dos tecidos), (7) hipertensão (aumento da pressão do sangue), (8) colite ulcerativa não específica (úlceras do intestino), com chances de perfuração iminente, (9) diverticulite (aparecimento de “pequenos dedos” no intestino que inflamam), (10) abscesso (cavidade com pus devido à infecção) ou outra infecção piogênica (que produz pus); (11) anastomose intestinal recente (cirurgia recente que reconectou duas partes do intestino), (12) úlcera péptica (lesão n
    o estômago ativa ou latente) ou (13) osteoporose (diminuição do cálcio dos ossos). Foi relatada a ocorrência de trombose (entupimento de uma veia), incluindo trombo embolismo venoso (entupimento de uma veia do pulmão por um coágulo), com o uso de corticosteroides. Consequentemente, os corticosteroides devem ser usados com cautela em pacientes que apresentam ou estão predispostos a distúrbios trombo-embólicos (entupimento de veias e artérias por formação de coágulos). Altas doses de corticosteroides podem produzir pancreatite aguda. Lesão hepática induzida por fármacos, tais como a hepatite aguda pode resultar de uso da metilprednisolona pulsada cíclica (geralmente em doses de 1 mg/dia). O tempo de início da hepatite aguda pode ser várias semanas ou mais. A resolução do evento adverso foi observado depois que o tratamento foi descontinuado. Solu-Medrol® contêm álcool benzílico que tem sido associado com eventos adversos graves, incluindo a “Síndrome de Gasping” (alteração do ritmo respiratório) e morte em pacientes pediátricos. Só deve ser usado na gravidez quando os benefícios do seu uso superam os riscos. Solu-Medrol® é excretado pelo leite humano. Informe ao seu médico se você estiver grávida, ficar grávida durante o tratamento ou logo após seu término, ou estiver amamentando. Sempre avise ao seu médico todas as medicações que você toma quando ele for prescrever uma medicação nova. O médico precisa avaliar se as medicações reagem entre si alterando a sua ação, ou da outra; isso se chama interação medicamentosa. O uso de Solu-Medrol® com medicamentos que induzem (aumentam a capacidade de trabalhar) as enzimas do fígado (por exemplo, anticonvulsivantes–fenobarbital, fenitoína e antibiótico antituberculoso–rifampicina) pode reduzir a quantidade de Solu-Medrol® no sangue. Já o uso com medicamentos que inibem as enzimas CYP3A4 (substâncias do fígado que transformam substâncias químicas como os medicamentos) podem aumentar a quantidade de Solu-Medrol® no sangue; são exemplos desse grupo: antibióticos (isoniazida) e suco de grapefruit. O uso de Solu-Medrol® com anticoagulantes (medicamentos que impedem a coagulação do sangue, por exemplo, varfarina) pode gerar resultados variáveis–aumento ou diminuição da capacidade de coagulação; por isso é recomendado que se monitore a capacidade de coagulação do sangue se esses dois medicamentos forem usados juntos. O uso com anticonvulsivantes (carbamazepina), anticolinérgicos (substâncias antagonistas da ação de fibras nervosas parassimpáticas que liberam acetilcolina), anticolinesterásicos ( drogas que inibem a ação da enzima colinesterase), antidiabéticos, antieméticos, antifúngicos, antivirais (inibidores da HIV-protease), inibidor da aromatase ( droga usada no tratamento do câncer de mama e ovário), bloqueadores dos canais de cálcio (diltiazem), contraceptivos orais (etinilestradiol, noretindrona), imunossupressores (ciclofosfamida, tacrolimo), antibióticos da classe dos macrolídeos (troleandomicina), anti-inflamatórios não esteroidais (ácido acetilsalicílico) e agentes depletores de potássio ( drogas que aumentam a perda de potássio, como por exemplo, diuréticos) pode aumentar ou diminuir a quantidade de Solu-Medrol® no sangue, o que poderá resultar em alteração na posologia do medicamento, conforme critério médico. O uso conjunto com outros anti-inflamatórios como o ácido acetilsalicílico pode aumentar o risco de desenvolvimento de úlceras gastrointestinais. A terapia com glicocorticoides pode mascarar os sintomas da úlcera péptica de forma que perfuração ou hemorragia possa ocorrer sem dor significativa. Crise de feocromocitoma (crise de pressão alta e sintomas sugestivos de ataque de pânico), que pode ser fatal, foi relatada após a administração de corticosteroides sistêmicos. Corticosteroides só devem ser administrados em pacientes com suspeita de feocromocitoma (tumor raro da glândula adrenal) ou feocromocitoma identificado após uma avaliação apropriada de risco/benefício. Este medicamento pode causar doping. Solu-Medrol® não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Medicamentos imunossupressores podem ativar focos primários de tuberculose. Os médicos que acompanham pacientes sob imunossupressão devem estar alertas quanto à possibilidade de surgimento de doença ativa, tomando, assim, todos os cuidados para o diagnóstico precoce e tratamento. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde. Solu-Medrol® 40 mg- Atenção: este medicamento contém Açúcar, portanto, deve ser usado com cautela em portadores de diabetes.

     Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    Solu-Medrol® deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C), protegido da luz. Após a reconstituição, Solu-Medrol® deverá ser utilizado imediatamente. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças. Características do produto: Solu-Medrol® 40 mg, 500 mg e 1 g: massa branca liofilizada. Solu-Medrol® 125 mg: massa branca a quase branca. Diluente: líquido límpido e incolor com um leve odor de álcool benzílico.

     Como devo usar este medicamento?

    Solu-Medrol® só deve ser administrado por infusão intravenosa (IV, ou seja, dentro do vaso sanguíneo) ou por injeção intramuscular (IM, ou seja, dentro do músculo). Em emergências a infusão IV deve ser a de escolha. Solu-Medrol® sempre será preparado e administrado por um médico ou por um profissional de saúde especializado.
    As instruções para administração, reconstituição, diluição e infusão estão disponibilizadas na bula destinada aos Profissionais de Saúde, pois somente um médico ou um profissional de saúde especializado poderá preparar e administrar a medicação. Seu médico determinará a duração do tratamento e a quantidade de medicamento administrada por dia, e monitorará sua resposta e condições. Em geral, a duração do tratamento deve ser baseada na resposta clínica do paciente. Recomenda-se o uso de seringas descartáveis. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

     O Que fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    O plano de tratamento por via intravenosa (IV) e intramuscular (IM) é definido pelo médico que acompanha o seu caso. Caso você esqueça de aplicar Solu-Medrol® no horário estabelecido pelo seu médico, procure um profissional que o aplique assim que lembrar. Porém, se o horário estiver muito próximo do da próxima dose contate o médico para redefinir o plano de tratamento. Neste caso, não aplique o medicamento duas vezes para compensar doses esquecidas. O esquecimento da dose pode comprometer o resultado do tratamento. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

     Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Leia também as questões 3 e 4. Solu-Medrol® se relaciona às seguintes reações adversas: infecção oportunista (infecção que pode ocorrer quando o sistema de defesa está debilitado), infecção, peritonite (inflamação no peritônio); leucocitose (aumento do número de leucócitos no sangue); hipersensibilidade a medicamentos (alergia, incluindo reação alérgica grave), reação anafilática, reação anafilactoide (reações alérgicas graves); cushingoide ( aumento de peso, com depósito específico de gordura em tronco e pescoço, face cheia, pode haver aumento de pelos e espinhas), hipopituitarismo ( diminuição da função da glândula pituitária), síndrome de abstinência de esteroide; acidose metabólica, retenção de sódio e de fluidos, alcalose hipocalêmica (alcalinidade dos fluidos corporais devido à
    redução do potássio sanguíneo), alteração do colesterol, prejuízo da tolerância à glicose, aumento da necessidade de insulina (ou medicamentos que reduzem a glicose no sangue em pacientes diabéticos), lipomatose (acúmulo de gordura), aumento de apetite (que pode resultar em aumento de peso); transtorno afetivo (incluindo instabilidade afetiva, humor deprimido, humor eufórico, dependência do medicamento e ideação suicida), transtorno psicótico (incluindo mania, delírio, alucinação, esquizofrenia), transtorno mental, alteração de personalidade, confusão, ansiedade, oscilações de humor, comportamento anormal, insônia, irritabilidade; lipomatose epidural (deposição de gordura no espaço epidural da coluna vertebral), aumento da pressão dentro do crânio, convulsão, amnésia, transtorno cognitivo (p. ex.: esquecimento), tontura, dor de cabeça; coriorretinopatia (doença que afeta a região central da retina), catarata; glaucoma (aumento de pressão intraocular), profusão dos olhos conhecida popularmente como esbugalhamento dos olhos; vertigem; insuficiência cardíaca congestiva (incapacidade do coração em bombear a quantidade adequada de sangue), arritmia (alterações do ritmo cardíaco); trombose ( entupimento de uma veia), aumento ou queda da pressão sanguínea; embolia pulmonar ( entupimento de uma veia do pulmão por um coágulo), soluços; úlcera péptica (lesão no estômago) (com possível perfuração e sangramento), perfuração intestinal, sangramento gástrico, inflamação no pâncreas, inflamação no esôfago, dor e aumento do volume abdominal, diarreia, má digestão, náusea; hepatite (inflamação do fígado); angioedema (inchaço das partes mais profundas da pele ou da mucosa, geralmente de origem alérgica), hirsutismo (aumento de pelos), petéquia (hematomas puntiformes na pele), equimose (manchas vinhosas na pele por sangramento), atrofia da pele, vermelhidão da pele, aumento da sudorese; estria da pele, erupção cutânea, coceira, urticária (alergia da pele), acne, hipopigmentação da pele; dor e fraqueza muscular, miopatia (alteração da função dos músculos), diminuição de massa muscular, osteoporose (diminuição do cálcio dos ossos), osteonecrose (morte de células ósseas), fratura patológica (fratura sem causa aparente), artropatia neuropática (doenças da articulação), dor nas articulações, retardo do crescimento; menstruação irregular; dificuldade de cicatrização, inchaço nas extremidades do corpo, cansaço, indisposição, reação no local da injeção; aumento da pressão dentro do olho, diminuição da tolerância a carboidrato, diminuição de potássio no sangue, aumento de cálcio na urina, aumento de enzimas do fígado e da fosfata se alcalina (enzima encontrada em diversos órgãos e tecidos) no sangue, aumento da ureia no sangue, supressão de reações em testes cutâneos; fratura por compressão de vértebras, ruptura de tendão (parte do músculo que o fixa ao osso). Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

      O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    Não há síndrome clínica da superdose aguda com corticosteroides. Relatos de toxicidade aguda e/ou morte após superdose de corticosteroides são raros. Em caso de superdose , não há antídoto específico disponível; o tratamento é sintomático e de apoio. A metilprednisolona é dialisável. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

    DIZERES LEGAIS

    MS-1.0216.0146
    Farmacêutica Responsável: Carolina C. S. Rizoli – CRF-SP Nº 27071
    Registrado por: Laboratórios Pfizer Ltda.
    Rodovia Presidente Castelo Branco, Km 32,5
    CEP 06696-000 – Itapevi–SP
    CNPJ nº 46.070.868/0036-99
    Fabricado e Embalado por: Pfizer Manufacturing Belgium NV
    Puurs-Bélgica
    Importado por: Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda.
    Rodovia Presidente Castelo Branco, Km 32,5
    CEP 06696-000 – Itapevi – SP

    VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

    Tags: , , , , , , , , , , ,

  • eaca-balsamico-destina-se-a-expextoração-das-secreções-dos-bronquios-e-ao-alivio-da-tosse

     

     

     

     

     

     

     

    EACA®Balsâmico

    Ácido épsilon aminocapróico, benzoato de sódio, guaifenesina, cloreto de amônio.

    Apresentações:

    Xarope – frasco contendo 100 ml.
    VIA ORAL
    USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS

    Composição:

    Cada ml de xarope contém: ácido épsilon aminocapróico……………………25 mg
    benzoato de sódio ………………………………… 50 mg
    guaifenesina ……………………………………….. 10 mg
    cloreto de amônio ………………………………… 10 mg
    veículo(*) q.s.p. ……………………………………. 1 ml
    (*) veículo: sacarina, metilparabeno, essência de cereja, essência de framboesa, corante caramelo, xarope simples.

    Informações ao Paciente:

    Para que este medicamento é indicado?

    EACA®Balsâmico destina-se à expectoração das secreções dos brônquios e ao alívio da tosse.

    Como este medicamento funciona?

    EACA®Balsâmico tem ação fluidificante, expectorante e anti-inflamatória. Desta forma, torna as secreções brônquicas menos espessas, facilita a eliminação dessas secreções e auxilia na redução dos processos inflamatórios brônquicos.

    Quando não devo usar este medicamento?

    EACA® Balsâmico é contraindicado para pessoas com alergia aos componentes da fórmula.

    Uso durante a amamentação:

    Não foram realizados estudos específicos para determinar a segurança do uso de EACA®Balsâmico por mulheres que estejam amamentando e, também, não há informações sobre sua eliminação no leite materno. Portanto, EACA®Balsâmico é contraindicado para mulheres que estejam amamentando.

    Renais crônicos:

    Em pessoas com insuficiência renal crônica, o cloreto de amônio pode se acumular no organismo. Portanto, EACA®
    Balsâmico é contraindicado para pessoas com insuficiência renal crônica.

    Insuficiência hepática severa:

    EACA®Balsamico:
    Em pessoas com insuficiência hepática severa, o cloreto de amônio pode se acumular no organismo. Portanto, EACA ®Balsâmico é contraindicado para pessoas com insuficiência hepática severa.

    Distúrbios metabólicos:

    Por conter cloreto de amônio em sua fórmula, EACA®Balsâmico é contraindicado para pessoas com hiperamonemia (aumento da amônia no sangue) ou acidose metabólica (situação em que o sangue se torna mais ácido).

    Distúrbios da coagulação:

    Por conter ácido épsilon-aminocapróico em sua fórmula, EACA®Balsâmico, é contraindicado para pessoas que estejam apresentando, no momento, doenças caracterizadas pelo aumento da coagulação do sangue, como trombose, embolia ou coagulação intravascular disseminada, ou pela diminuição da circulação do sangue, como infarto, isquemia ou vasculopatia oclusiva aguda.

    Crianças com menos de 2 anos de idade:

    EACA®Balsâmico é contraindicado para crianças com menos de 2 anos de idade. Este medicamento não deve ser utilizado em crianças menores de 2 anos de idade.

    O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Precauções e Advertências

    Gerais: Não há advertências ou recomendações especiais para o uso de EACA®Balsâmico nas doses recomendadas. Entretanto, por conter ácido épsilon-aminocapróico em sua fórmula, pessoas que já tiveram trombose, que tenham outras doenças que aumentam o risco para trombose ou que tenham familiares com trombose e pessoas que estejam eliminando sangue junto com a urina só devem usar EACA®Balsâmico com acompanhamento médico. Esta recomendação é importante porque o ácido épsilon-aminocapróico favorece a coagulação do sangue, podendo aumentar a frequência de tromboses ou coágulos na bexiga e rins.

    Uso durante a gravidez:

    Embora se tenha conhecimento do uso de seus componentes por mulheres grávidas, não foram realizados estudos específicos para determinar a segurança do uso de EACA®Balsâmico por Modelo de Texto de Bula: EACA Balsâmico.Mulheres grávidas. Portanto, mulheres grávidas só devem usar EACA®Balsâmico com acompanhamento
    médico. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

    Idosos:

    Pessoas idosas podem ter maior tendência para trombose. Portanto, pessoas idosas só devem usar EACA®Balsâmico
    com acompanhamento médico.

    Crianças com mais de 2 anos de idade:

    Não há advertências ou recomendações especiais para o uso de EACA®Balsâmico por crianças com mais de 2 anos de idade.

    Reação alérgica intensa (anafilaxia):

    Raramente pode ocorrer reação alérgica intensa (inchaço dos olhos, lábios e língua; vermelhidão / placas avermelhadas intensas, em todo o corpo, e/ou dificuldade para respirar). Entretanto, nesse caso, procure o Serviço Médico imediatamente. Atenção: Este medicamento contém açúcar, portanto, deve ser usado com cautela em portadores de diabetes. Alteração na capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas: EACA®Balsâmico não afeta a capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas.

    Interações medicamentosas:

    Até o momento, não existem relatos de casos de alteração dos efeitos de EACA®Balsâmico por outros medicamentos ou que ele altere o efeito de outros. Exames laboratoriais: EACA®Balsâmico pode alterar o resultado de exames, alterando a coloração do teste do ácido vanilmandélico, para dosagem de catecolaminas, ou promovendo resultado falso-elevado do ácido 5-hidroxiindolacético, em determinados testes para a dosagem da serotonina. Portanto, informe ao seu médico se você está fazendo uso de EACA®Balsâmico.

    Alimentos:

    Até o momento, não existem relatos de casos de alteração dos efeitos de EACA®Balsâmico por alimentos. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

    Onde,como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    EACA®Balsâmico, deve ser guardado na sua embalagem original, conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC). Nestas condições, este medicamento possui prazo de validade de 24 (vinte e quatro) meses, a partir da data de fabricação. Número do lote, data de fabricação e prazo de validade: vide embalagem. Não use medicamento com prazo de validade vencido. Para sua segurança, mantenha o medicamento na embalagem original.

    Características físicas e organolépticas:

    EACA®Balsâmico, é um líquido límpido de cor castanha, livre de partícula em suspensão. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso você observe alguma mudança no aspecto do medicamento que ainda esteja no prazo de validade, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo o medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

    Como devo usar este medicamento?

    Modo de Uso: EACA®Balsâmico, deve ser usado na dose e horários receitados pelo seu médico.

    Adultos:

    Administrar 10 ml (uma colher de sobremesa), de quatro em quatro horas, a critério médico.

    Crianças:

    Crianças de 2 até 10 anos: Administrar 5 ml (uma colher de chá), de quatro em quatro horas, a critério médico.

    Insuficiência Renal:

    Este produto é contraindicado para pessoas com insuficiência renal crônica.

    Idosos:

    A dose para pessoas idosas pode ser a mesma recomendada para adultos mais jovens. Entretanto, com acompanhamento médico. (Ver PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS). Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

    O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Caso você esqueça de tomar EACA®Balsâmico, no horário receitado pelo seu médico, tome-o assim que se lembrar. Porém, se já estiver próximo ao horário de tomar a dose seguinte, pule a dose esquecida e tome a próxima, continuando normalmente o esquema de doses receitado pelo seu médico. Neste caso, não tome o medicamento duas vezes para compensar a dose esquecida. O esquecimento da dose pode, entretanto, comprometer a eficácia do tratamento. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico ou cirurgião-dentista.

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Reações adversas: De modo geral, EACA®Balsâmico é bem tolerado. Entretanto, as reações adversas observadas com o uso dos componentes de sua fórmula, por ordem de incidência, foram:
    • Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): náuseas, vômitos e diarreia.
    • Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): dor de cabeça e reações alérgicas na pele (vermelhidão/placas avermelhadas, coceira).
    • Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): tontura, redução do apetite e rinite ou asma alérgicas.
    • Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): reação alérgica intensa (inchaço dos olhos, lábios e língua; vermelhidão/placas avermelhadas intensas, em todo o corpo, e/ou dificuldade para respirar). Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe à empresa sobre o aparecimento de reações indesejáveis e problemas com este medicamento, entrando em contato através do Sistema de Atendimento ao Consumidor (SAC).

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    Até o momento, não existem relatos de casos de superdosagem. Entretanto, é provável que os sintomas incluam náuseas, vômitos, diarreia, dor abdominal e tontura. Nesse caso, procure o serviço médico imediatamente. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

    DIZERES LEGAIS

    M.S nº 1.5651.0051
    Farm. Responsável: Ana Luísa Coimbra de Almeida
    CRF/RJ nº 13227
    Fabricado por: ZYDUS NIKKHO FARMACÊUTICA Ltda.
    Rua Jaime Perdigão, 431/445 – Ilha do Governador
    Rio de Janeiro – RJ – BRASIL
    CNPJ 05.254.971/0008-58
    INDÚSTRIA BRASILEIRA
    Registrado Por: ZYDUS NIKKHO FARMACÊUTICA Ltda.
    Estrada Governador Chagas Freitas, 340 – Ilha do Governador
    Rio de Janeiro – RJ – BRASIL
    CNPJ 05.254.971/0001-81
    (LOGO) Serviço de Atendimento ao Cliente
    0800 282 9911
    www.zydusbrasil.com.br

    Tags: , , , , , ,

  • descongestionante-nasal-leva-ao-vicio-e-a-pessoa-pode-ate-perder-o-olfato-imagem-01

    Além de todos os efeitos danosos, abusar das gotinhas diariamente pode causar ainda uma condição chamada rinite medicamentosa: quanto mais se usa o remédio, mais a obstrução nasal piora, uma vez que ele perde o efeito. Todo ano, quando o frio começa, é quase instintivo recorrer aos descongestionantes nasais. Somado ao frio, há a seca, que vem acompanhada de poeira, bactérias, ácaros e outros visitantes indesejados que pioram consideravelmente a vida dos alérgicos. O medicamento, embora traga alívio imediato ao nariz entupido, não é tão benéfico quanto parece. Diderot Parreira, otorrinolaringologista da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), explica que o uso indiscriminado do remédio pode ocasionar problemas sérios de saúde. “Os componentes dos descongestionantes nasais causam vasoconstrição, ou seja, fecham os vasos do nariz”, explica. O problema é que isso não ocorre só no nariz. Como eles contraem os vasos sanguíneos, têm um efeito sistêmico no corpo e contraem outros vasos também. “Isso pode causar arritmia, taquicardia, aumento da pressão arterial e outros problemas.” Para pessoas que sofrem com pressão alta ou que têm algum tipo de problema cardíaco, portanto, os remédios são um perigo. Segundo Parreira, os descongestionantes nasais estão em terceiro lugar no ranking dos medicamentos com mais efeitos colaterais e uso incorreto, de acordo com dados do Centro de Atendimento Toxicológico de São Paulo. Além de todos os efeitos danosos, abusar das gotinhas diariamente pode causar ainda uma condição chamada rinite medicamentosa: quanto mais se usa o remédio, mais a obstrução nasal piora, uma vez que ele perde o efeito. Ao contrário da rinite alérgica, na medicamentosa não há secreções. “Vira um vício que pode fazer com que o paciente perca o olfato”, alerta o médico. No entanto, o hábito de pingar continuamente o remédio no nariz, além de viciar, mascara um enorme perigo para a saúde do coração. A longo prazo, os efeitos dos descongestionantes elevam o risco de trombose e formação de coágulos. Na mucosa nasal, o uso abusivo provoca uma reação inflamatória, fazendo com que seja preciso quantidades cada vez maiores do remédio para se obter bem-estar. “O alívio da congestão nasal é imediato. Por isso, a pessoa acha que está fazendo um grande negócio. Mas é só um paliativo – diz o otorrinolaringologista Jair de Carvalho e Castro, do Hospital Samaritano do Rio. Segundo o médico, o correto é buscar ajuda para descobrir e tratar a causa do entupimento das narinas, que pode ser sinusite, desvio de septo ou pólipo nasal, entre outras. Lavar as narinas com soro fisiológico ou solução de água com sal e bicarbonato é uma boa alternativa para aliviar a congestão sem remédios, ensina Jair de Carvalho e Castro. Para quem já se viciou nos descongestionantes, o tratamento é feito com medicamentos orais e injetáveis que visam à recuperação da mucosa do nariz.

    Alívio para o nariz, risco para o coração:

    descongestionante-nasal-leva-ao-vicio-e-a-pessoa-pode-ate-perder-o-olfato-imagem-02

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Se para a maioria da população o que conta é o alívio rápido, é bom começar a pensar nas consequências do uso desses medicamentos, optando por soluções menos paliativas e tratamentos mais duradouros. Isto porque os descongestionantes têm substâncias que contraem os muitos vasos sanguíneos do nariz, que dificultam a respiração quando estão dilatados em decorrência de alergias e gripes. Quando são usadas sem orientação médica e durante períodos longos, as substâncias vasoconstritoras vão sendo absorvidas pela mucosa nasal e caem na corrente sanguínea, provocando pressão alta e taquicardia. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já alertou a população sobre os perigos da automedicação de congestionantes nasais com vasoconstritores, e até publicou uma lista daqueles que deveriam ser comercializados com tarja vermelha, ou seja, vendidos apenas mediante a prescrição de um médico.

    Alguns medicamentos que contém substâncias vasoconstritoras:

    Neosoro
    Sinustrate
    Sorine
    Adnax
    Rinoklin

    O uso contínuo do medicamento faz com que a mucosa nasal absorva a substância vasoconstritora (fenilefrina, difenidramina, cloridrato de oximetazolina, nafazolina ou cloridrato de nafazolina), levando-os até a corrente sanguínea, aumentando os riscos de Pressão alta e taquicardia. Nos Estados Unidos, muitos dos descongestionantes favoritos da população não estão mais facilmente disponíveis nas prateleiras, foram para trás do balcão forçando o cliente a fazer o pedido ao farmacêutico, muitas vezes assinando um termo ou mostrando a identidade. Outras marcas estão tendo suas fórmulas modificadas para minimizar riscos como doenças da tireoide, diabetes ou dificuldade de urinar, além de problemas cardíacos citados acima. Essas mudanças fizeram parte de um esforço nacional para evitar o consumo de metanfetamina, droga altamente viciante feita a partir da pseudoefedrina, ingrediente ativo de vários descongestionantes. Alguns laboratórios norte-americanos estão substituindo a pseudoefedrina por fenilefrina, mas como esta não pode ser feita sem a maléfica metanfetamina…Ou seja, como há poucos estudos sobre o assunto até agora, o melhor mesmo a se fazer é procurar orientação médica sempre, até porque a verdadeira causa da obstrução nasal pode ser outra, ainda desconhecida. Além disso, a solução mais rápida nem sempre é a melhor. Quem sabe mudar seus hábitos alimentares, dormir bem e fazer exercícios pelo menos três vezes por semana podem protegê-lo muito mais das alergias e gripes? Fica a dica!

    Tags: , , , , , , , , ,

  • juliet-e-usado-para-evitar-a-gravidez-01

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Juliet

    desogestrel

    Apresentações:

    Juliet (desogestrel) 0,075 mg. Embalagem contendo 28 ou 84 comprimidos revestidos.
    Uso Oral
    Uso Adulto

    Composição:

    Cada comprimido revestido de 0,075 mg contém: desogestrel …………………………………………………………………………… 0,075 mg ,excipientes q.s.p……………………………………………….. 1 comprimido revestido (lactose monoidratada, amido, povidona K30, ácido esteárico, racealfatocoferol, dióxido de silício, hipromelose, macrogol, dióxido de titânio, polissorbato 80).

    Informações ao Paciente:

    Leia cuidadosamente esta bula antes de iniciar o tratamento com esse medicamento. Guarde esta bula. Você pode precisar ler as informações novamente em outra ocasião. Esta bula fornecerá informações sobre os benefícios e riscos do Juliet (Juliet (desogestrel)). Ela também a orientará sobre como você deve tomar Juliet (desogestrel) corretamente e quando deve informar ao seu médico sobre condições relacionadas com sua saúde. Se tiver alguma dúvida, peça auxílio ao seu médico ou farmacêutico. Esse medicamento foi receitado para você e não deve ser fornecido a outras pessoas, pois pode ser prejudicial a elas, mesmo que os sintomas que elas apresentem sejam iguais aos seus. Se algum dos efeitos colaterais se tornar grave ou se você apresentar algum efeito colateral que não esteja mencionado nesta bula, informe ao seu médico ou farmacêutico.

    Para que este medicamento é indicado?

    Juliet (desogestrel) é usado para evitar a gravidez.

    Como este medicamento funciona?

    Juliet (desogestrel) contém uma pequena quantidade de um tipo de hormônio sexual feminino, o progestagênio Juliet (desogestrel). Por esse motivo, Juliet (desogestrel) é chamado de pílula com progestagênio isolado, ou minipílula. Diferentemente das pílulas combinadas, as minipílulas não contêm um hormônio estrogênio associado ao progestagênio. A maioria das minipílulas age principalmente impedindo a entrada das células do esperma no útero, mas nem sempre impedem a maturação do óvulo, que é a ação principal das pílulas combinadas. Juliet (desogestrel) é diferente das outras minipílulas porque apresenta uma dose que, na maioria dos casos, é alta o suficiente para impedir a maturação dos óvulos. Consequentemente, Juliet (desogestrel) proporciona eficácia contraceptiva elevada. Ao contrário das pílulas combinadas, Juliet (desogestrel) pode ser utilizado por mulheres que não toleram os estrogênios ou que estejam amamentando. Uma desvantagem é que pode ocorrer sangramento vaginal com intervalos irregulares durante o uso de Juliet (desogestrel), assim como pode não ocorrer nenhum sangramento.

    Quando não devo usar este medicamento?

    Este medicamento é contraindicado para uso por mulheres: com alergia a qualquer ingrediente da fórmula de Juliet (desogestrel). com trombose, que é a formação de um coágulo em um vaso sanguíneo [por exemplo, das pernas (trombose venosa profunda) ou dos pulmões (embolia pulmonar)]. que já teve icterícia (cor amarela da pele) ou doença grave no fígado e se a função do fígado ainda não tiver normalizado, que tem ou suspeita que tem um câncer sensível aos esteróides sexuais, tais como determinados tipos de câncer de mama, com qualquer sangramento vaginal de origem desconhecida. Se você apresentar qualquer uma dessas condições, informe ao seu médico antes de iniciar o uso de Juliet (desogestrel). Ele poderá lhe aconselhar a utilizar um método não hormonal para o planejamento familiar. Se qualquer uma dessas condições aparecer pela primeira vez enquanto estiver tomando Juliet (desogestrel), consulte seu médico imediatamente. Este medicamento é contraindicado para uso por mulheres grávidas ou que suspeitam que possam estar grávidas.

    O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Juliet (desogestrel), como todos os anticoncepcionais hormonais, não protege contra infecções por HIV (AIDS) ou qualquer outra doença sexualmente transmissível. Informe ao seu médico antes de iniciar o uso de Juliet (desogestrel) se você: já teve câncer de mama; tem câncer no fígado, uma vez que um possível efeito de Juliet (desogestrel) não pode ser excluído; já teve formação de coágulo em um vaso sanguíneo (trombose); tem diabetes; tem epilepsia (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Ingestão concomitante com outras substâncias”); tem tuberculose (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Ingestão concomitante com outras substâncias”); tem pressão sanguínea alta; tem ou teve cloasma (manchas marrom-amareladas na pele, particularmente no rosto); neste caso, evite muita exposição ao sol ou raios ultravioleta. Se Juliet (desogestrel) for utilizado na presença de uma dessas condições, seu médico deverá observá-la cuidadosamente e poderá lhe explicar o que fazer. Redução da massa óssea: Os estrogênios são importantes para manter a estrutura de seus ossos. Durante o uso de Juliet (desogestrel), a concentração do estrogênio natural estradiol no seu sangue é comparável à observada na primeira metade do seu ciclo natural, mas é diminuída em comparação com a segunda metade do ciclo. Não se sabe se isso afeta ou não a estrutura de seus ossos.
    Câncer de mama: Examine regularmente suas mamas e consulte o seu médico assim que possível, se você sentir qualquer caroço (nódulo) nas suas mamas. O câncer de mama tem sido encontrado um pouco mais frequentemente em mulheres que tomaram pílulas do que naquelas da mesma idade que não as tomaram. Quando a mulher para de tomar a pílula, o risco diminui gradativamente, de modo que 10 anos depois de interromper o tratamento com pílulas, o risco é o mesmo que aquele apresentado por mulheres que nunca tomaram pílulas. O câncer de mama é raro abaixo dos 40 anos de idade, mas o risco aumenta à medida que a mulher fica mais velha. Portanto, o número adicional de cânceres de mama diagnosticados é maior em mulheres que usam pílula em idade mais avançada. O tempo de tratamento com pílulas é menos importante. A cada 10000 mulheres que tomam pílulas por até 5 anos, mas param de tomá-las por volta dos 20 anos de idade, haverá 1 caso adicional de câncer de mama encontrado até 10 anos depois de interrompido o tratamento, além dos 4 casos normalmente diagnosticados nesse grupo etário. Da mesma forma, a cada 10000 mulheres que tomam pílulas por até 5 anos, mas param de tomá-las por volta dos 30 anos, haverá 5 casos adicionais de câncer de mama além dos 44 casos normalmente diagnosticados. A cada 10000 mulheres que tomam pílulas por até 5 anos, mas param de tomá-las por volta dos 40 anos, haverá 20 casos adicionais de câncer de mama além dos 160 casos normalmente diagnosticados. Acredita-se que o risco de câncer de mama em usuárias de pílulas que contenham apenas progestagênio, assim como desogestrel, é semelhante àquele das mulheres que usam a pílula combinada, mas a evidência é menos conclusiva. Parece que os cânceres de mama nas mulheres que tomam pílulas se espalham menos do que os encontrados nas que não as tomam. Não se sabe se a diferença no risco de câncer de mama é causada pela pílula. Pode ser que as mulheres sejam examinadas com maior frequência, de modo que o câncer de mama é descoberto mais precocemente.Se você notar possíveis sinais de uma trombose, consulte imediatamente o seu médico (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Quando você deve consultar o seu médico?”). Trombose é a formação de um coágulo que pode bloquear um vaso sanguíneo. A trombose às vezes ocorre nas veias profundas da perna (trombose venosa profunda). Se o coágulo se rompe e se desloca da veia onde foi formado, pode atingir e bloquear as artérias dos pulmões, causando a então chamada “embolia pulmonar”. Consequentemente, podem ocorrer situações fatais. A trombose venosa profunda raramente ocorre. Ela pode se desenvolver se você estiver tomando pílulas ou não. Ela também pode ocorrer se você engravidar. O risco é maior em usuárias de pílulas do que em não usuárias. Acredita-se que o risco com pílulas contendo somente progestagênio, como é o caso de desogestrel, seja mais baixo do que em mulheres que usam pílulas combinadas contendo também estrogênios. Sangramento vaginal: Durante o tratamento com Juliet (desogestrel), pode ocorrer sangramento vaginal em intervalos irregulares. Pode ser mínimo, não necessitando do uso de absorvente, ou maior, mais parecido a um período menstrual curto, requerendo uso de absorvente. Você pode também não apresentar nenhum sangramento. Os sangramentos irregulares não são sinais de redução da proteção contraceptiva do Juliet (desogestrel). Em geral, não é necessário tomar nenhuma providência; apenas continue a tomar o Juliet (desogestrel) normalmente. Entretanto, se o sangramento for abundante ou prolongado, consulte seu médico. Cistos ovarianos: Durante o tratamento com anticoncepcionais hormonais de baixa dose, podem se desenvolver pequenas bolsas contendo líquido nos ovários, chamados de cistos ovarianos. Geralmente, eles desaparecem espontaneamente. Algumas vezes, eles causam dores abdominais leves. Apenas raramente, podem causar problemas mais graves. Exames médicos periódicos: Enquanto estiver usando Juliet (desogestrel), seu médico solicitará seu retorno regularmente às consultas. Em geral, a frequência e o tipo de avaliação clínica dependerão de sua condição clínica individual. Consulte seu médico imediatamente se você: sentir dor intensa ou inchaço nas pernas, dores inexplicáveis no peito, dificuldade para respirar, tiver tosse anormal, especialmente se expelir sangue (possivelmente indicando uma trombose); tiver dor intensa e repentina de estômago ou ficar com aspecto de que tem icterícia (coloração amarela da pele, possivelmente indicando problemas no fígado ); sentir nódulos nas suas mamas (possivelmente indicando câncer de mama ); tiver dor intensa ou repentina no abdome ou na área do estômago (possivelmente indicando uma gravidez ectópica, que é uma gravidez fora do útero);
    precisar ser imobilizada, ou se for submetida a cirurgia (avise o seu médico com pelo quatro semanas de antecedência); tiver sangramento vaginal anormal, intenso; suspeitar que está grávida. Lactação: Juliet (desogestrel)
    pode ser utilizado durante a amamentação, pois não influencia na produção ou na qualidade do leite materno. Entretanto, pequenas quantidades da substância ativa de Juliet (desogestrel) passam para o leite. A saúde de crianças amamentadas durante 7 meses por mães que tomaram desogestrel foi avaliada até os 2,5 anos de idade. Não foram observados efeitos sobre o crescimento e desenvolvimento dessas crianças. Se estiver amamentando e desejar tomar desogestrel, consulte o seu médico. Efeitos sobre a habilidade de dirigir e operar máquinas Não há indicações de qualquer efeito do uso de Juliet (desogestrel) sobre o estado de alerta e concentração. Informação importante sobre alguns ingredientes de Juliet (desogestrel) contém lactose (açúcar do leite). Se você sabe que tem intolerância a alguns açúcares, informe ao seu médico antes de iniciar o tratamento com Juliet (desogestrel). Pacientes idosas: Juliet (desogestrel) é medicamento de uso exclusivo em pacientes em idade gestacional. Não se destina a uso em pacientes com idade ? 60 anos. Ingestão concomitante com outras substâncias Informe ao seu médico ou farmacêutico se você está tomando ou tomou recentemente qualquer outro medicamento ou produtos fitoterápico, incluindo os medicamentos obtidos sem prescrição médica. Alguns medicamentos podem impedir que Juliet (desogestrel) funcione adequadamente. Entre eles estão incluídos os utilizados para tratamento da: epilepsia (por ex., primidona, fenitoína, carbamazepina, oxcarbazepina, felbamato e fenobarbital); tuberculose (por ex., rifampicina, rifabutina); infecções por HIV (por ex., ritonavir) ou outras doenças infecciosas (por ex.,griseofulvina); mal estar gástrico (carvão medicinal); depressão (à base da planta Erva de São João – Hypericum perforatum ou St. John’s wort). O seu médico pode lhe dizer se é necessário que adote precauções anticoncepcionais adicionais e, em caso afirmativo, por quanto tempo. Juliet (desogestrel) também pode interferir no funcionamento de determinados medicamentos, ocasionando um aumento (por ex., medicamentos contendo ciclosporina) ou diminuição do efeito. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

    Onde,como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C). Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Juliet (desogestrel) é um comprimido revestido, circular, branco. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

    Como devo usar este medicamento?

    A cartela de Juliet (desogestrel) contém 28 comprimidos. Na parte da frente da cartela estão impressas setas entre os comprimidos. Se você virar a sua cartela e olhar a parte de trás, verá que os dias da semana estão impressos na cartela. Cada dia corresponde a um comprimido. A cada nova cartela de Juliet (desogestrel) , inicie pelo comprimido da 1ª linha (linha de cima) marcado com o dia da semana correspondente. Não comece a tomar por um comprimido
    qualquer. Por exemplo, se você iniciar sua nova cartela em uma quarta-feira, você deve tomar o comprimido da primeira fileira marcado na parte de trás da cartela com “QUA”. Continue a tomar um comprimido por dia até terminar a cartela, sempre seguindo a direção indicada pelas setas. Assim, você pode verificar facilmente se tomou o comprimido do dia. Tome o seu comprimido diariamente, aproximadamente no mesmo horário. Engula seu comprimido inteiro, com o auxílio de um copo de água. Pode ocorrer algum sangramento durante o uso de Juliet (desogestrel), mas você deve continuar a tomar os seus comprimidos normalmente. Quando terminar uma cartela, deve ser iniciada uma nova cartela de Juliet (desogestrel) no dia seguinte, sem interrupção e sem esperar a menstruação. Começando a tomar sua primeira cartela de Juliet (desogestrel). Se não tiver utilizado nenhum anticoncepcional hormonal no último mês. Espere pelo início de sua menstruação. No 1º dia de sua menstruação, tome o 1º comprimido de Juliet (desogestrel). Você não precisa tomar precauções anticonceptivas adicionais. Você também poderá iniciar entre o 2º e o 5º dia de sua menstruação, mas, neste caso, certifique-se de usar um método anticonceptivo adicional (método de barreira) durante os primeiros 7 dias de tratamento. Se você tomou uma pílula combinada, ou usou um anel vaginal ou um adesivo na pele Você pode começar a tomar Juliet (desogestrel) no dia seguinte depois de ter tomado o último comprimido de sua cartela, ou no dia da retirada do seu anel vaginal ou do adesivo (ou seja, sem fazer nenhum intervalo). Caso a cartela de pílulas atual contenha comprimidos inativos, você pode começar a tomar Juliet (desogestrel) no dia seguinte depois de ter tomado o último comprimido ativo (caso você não tenha certeza sobre qual é este comprimido, pergunte ao seu médico ou farmacêutico). Seguindo essas instruções, não será necessário utilizar nenhuma precaução anticonceptiva adicional. Você também pode iniciar no mais tardar no intervalo sem o uso do comprimido, anel ou adesivo, ou no intervalo do placebo do seu método anticonceptivo atual. Se você usar esse método, certifique-se de usar durante o primeiro ciclo, um método anticonceptivo adicional (método de barreira) durante os primeiros 7 dias de tratamento. Se você tomou outra pílula à base de progestagênio isolado (minipílula) Você pode parar de tomar a minipílula em qualquer dia e começar a tomar Juliet (desogestrel) imediatamente. Não será necessário utilizar nenhuma precaução anticonceptiva adicional.
    Se você utilizou um método anticonceptivo injetável, implante ou um dispositivo intrauterino que libera progestagênio – DIU Comece a tomar Juliet (desogestrel) no dia em que deveria tomar a próxima injeção ou no dia em que remover o implante ou o DIU. Não será necessário utilizar nenhuma precaução anticonceptiva adicional. Após o parto: Você pode iniciar o uso de Juliet (desogestrel) entre o 21º e o 28º dia após o parto. Se iniciar mais tarde, certifique-se de usar no primeiro ciclo um método anticonceptivo adicional (método de barreira) durante os primeiros 7 dias de tratamento. Entretanto, se já teve uma relação sexual, deve ser afastada a possibilidade de você estar grávida antes de iniciar o uso do Juliet (desogestrel). Informações adicionais sobre mulheres que estão amamentando encontram-se em outro item desta bula (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Lactação”). Você pode, também, obter informações com seu médico. Após um aborto Seu médico vai orientá-la sobre o assunto. Se você tiver distúrbios gastrintestinais (por ex., vômitos ou diarreia grave)
    Siga as instruções para comprimidos esquecidos (veja item “7. O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?”). Se vomitar ou usar carvão ativado dentro de 3-4 horas após ter tomado o seu comprimido de Juliet (desogestrel) , ou se tiver diarreia grave, o componente ativo pode não ter sido absorvido completamente. Interrupção de tratamento: Você pode parar de tomar Juliet (desogestrel) a qualquer momento. A partir do dia em que parar de tomar os comprimidos, você não mais estará protegida contra a gravidez. Se tiver qualquer outra dúvida sobre o uso desse produto, consulte o seu médico ou farmacêutico. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

    O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Se o tempo de atraso da tomada do comprimido for de até 12 horas da hora em que toma normalmente, a confiabilidade de Juliet (desogestrel) está mantida. Tome o comprimido esquecido logo que lembrar e continue tomando os próximos comprimidos no horário habitual. Se o tempo de atraso for maior que 12 horas, a confiabilidade de Juliet (desogestrel) pode ter sido reduzida. Quanto mais comprimidos consecutivos forem esquecidos, maior o risco de redução da eficácia contraceptiva. Tome o último comprimido esquecido logo que lembrar e continue tomando os próximos comprimidos no horário habitual. Use um método anticonceptivo adicional (método de barreira) também nos próximos 7 dias de tratamento. Se esquecer 1 ou mais comprimidos na primeira semana de tratamento e tiver tido relações sexuais na semana anterior ao esquecimento dos comprimidos, a possibilidade de gravidez deve ser considerada. Nesse caso consulte o seu médico. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Assim como qualquer medicamento, Juliet (desogestrel) pode causar reações adversas, embora nem todas as mulheres as apresentem. As reações adversas graves associadas com o uso das pílulas anticonceptivas são descritas nos itens “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Câncer de mama e Trombose”. Leia esses itens para informações adicionais e consulte o seu médico se necessário. As reações a seguir foram relatadas por pacientes que estavam tomando Juliet (desogestrel): Reações comuns (ocorrem em mais do que 1% das pacientes que utilizam este medicamento): espinhas (acne), dor nas mamas, diminuição da libido, dor de cabeça, menstruação irregular ou ausência de menstruação, alterações de humor, náuseas e aumento de peso. Reações incomuns (ocorrem entre 0,1% e 1% das pacientes que utilizam este medicamento): dificuldade em usar lentes de contato, queda de cabelo, infecção vaginal, menstruação dolorosa, aparecimento de cistos no ovário, cansaço e vômito. Reações raras (ocorrem em menos do que 0,1% das pacientes que utilizam este medicamento): vermelhidão
    na pele, urticária, eritema nodoso (nódulos vermelho-azulados dolorosos na pele). Além desses efeitos colaterais, pode ocorrer secreção das mamas. Se alguma dessas reações adversas se tornar grave, ou se você apresentar qualquer reação adversa que não esteja mencionada nesta bula, informe ao seu médico ou farmacêutico. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    Não há relatos de efeitos perigosos graves se tomar muitos comprimidos de Juliet (desogestrel) de uma vez. Podem ocorrer sintomas como náusea e vômito e, ainda, um leve sangramento vaginal em mulheres ou jovens. Para maiores informações consulte o médico. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

    Dizeres Legais

    Venda Sob Prescrição Médica

    Reg. MS – 1.0047.0518
    Farm. Resp.: Cláudia Larissa S. Montanher CRF-PR nº 17.379
    Esta bula foi atualizada conforme Bula Padrão aprovada pela Anvisa em 21/03/2014.
    Registrado, Fabricado e Embalado por: Sandoz do Brasil Indústria Farmacêutica Ltda.
    Rod. Celso Garcia Cid (PR – 445), Km 87, Cambé – PR
    CNPJ: 61.286.647/0001-16 – Indústria Brasileira
    Ou Embalado por: Blisfarma Indústria Farmacêutica Ltda.
    Diadema – São Paulo
    Comercializado por:
    Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.
    Rua Michigan, 735 São Paulo – SP – CEP 04566-905
    CNPJ: 56.998.701/0001-16

    Tags: , , , , , , , , , ,

  •  

    pilula-anticoncepcional-mais-moderna-quadriplica-risco-de-trombose-diz-estudo-imagem-01Pílulas anticoncepcionais previnem gravidez indesejada e ajudam no tratamento de doenças como a síndrome do ovário policístico. Mas um risco associado ao seu uso preocupa a cada dia mais mulheres. A relação entre tipo de pílula anticoncepcional e risco de trombose foi recentemente avaliada por pesquisadores britânicos. Veja a seguir o que eles descobriram.

    Anticoncepcionais e trombose:

    Um estudo publicado pelo British Medical Journal analisou a ação de diferentes tipos de progesterona – um dos hormônios presentes nas pílulas – na ocorrência de trombose. Os pesquisadores analisaram dois bancos de dados médicos de mulheres com idade entre 15 e 49 anos com trombose prévia entre 2001 e 2013. Ao todo foram analisados 10562 casos de trombose.

     

     

    Depois de ajustar outros fatores de risco, como tabagismo, consumo de álcool e índice de massa corporal, os pesquisadores notaram que os anticoncepcionais mais novos apresentam riscos maiores de trombose e suas consequências, como o AVC (Acidente Vascular Encefálico). O risco associado às drogas desogestrel, gestodeno, drospirenona, ciproteron era 2 vezes maior que o risco relacionado aos anticoncepcionais chamados de segunda geração, como levonorgestrel, noretisterona e norgestimato e 4 vezes maior em comparação com as mulheres que não tomam pílula. Apesar dos achados, os pesquisadores afirmam que o risco absoluto ainda é baixo e que os contraceptivos orais são extremamente seguros.

    pilula-anticoncepcional-mais-moderna-quadriplica-risco-de-trombose-diz-estudo-imagem-02Composição da pílula anticoncepcional:

    Saiba quais os remédios anticoncepcionais que fazem parte do grupo “mais moderno”, que oferece maior risco de trombose, e quais são os da “segunda geração”, menos arriscados.

    Pílulas Modernas Desogestrel:

    O tipo de progesterona influencia no aparecimento de tromboses.

    As pílulas Femina, Cerazzete, Mercilon, Gracial, Minian e Primera contêm essa progesterona.

    Gestodeno

    Micropil, Ginesse, Femiane, Diminut, Harmonet e Tamisa têm gestodeno.

    Drospirenona

    Yasmin, Yaz e Elani ciclo possuem a substância.

    Ciproterona

    Está na Selene, Diane 35, Diclin e Artemidis.

    Pílulas de segunda geração:

    Levonorgestrel

    Microvlar, Level e Ciclo 21 levam levonorgestrel na composição.

    Noretisterona

    As pílulas Norestin e Micronor têm essa progesterona.

    Norgestimato

    Triafemi, cilest, tricilest e effiprev.

    Tags: , , , , ,

  •  

     

     

     

     

    nactali-é-usado-para-evitar-gravidez

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Nactali

    desogestrel

    Apresentações:

    Comprimidos revestidos contendo 75 mcg de desogestrel. Embalagens com 28 ou 84 comprimidos revestidos.
    Uso Oral
    Uso Adulto

    Composição:

    Cada comprimido revestido contém 75 mcg de desogestrel. Excipientes: lactose monoidratada, amido, povidona, ácido esteárico, racealfatocoferol, dióxido de silício, estearato de magnésio, hipromelose, macrogol e dióxido de titânio.

    Informações ao Paciente:

    *Leia cuidadosamente esta bula antes de iniciar o tratamento com esse medicamento.
    *Guarde esta bula. Você pode precisar ler as informações novamente em outra ocasião.
    *Esta bula fornecerá informações sobre os benefícios e riscos do Nactali. Ela também a orientará sobre como você deve tomar Nactali corretamente e quando deve informar ao seu médico sobre condições relacionadas com sua saúde. Se tiver alguma dúvida, peça auxílio ao seu médico ou farmacêutico.
    *Esse medicamento foi receitado para você e não deve ser fornecido a outras pessoas, pois pode ser prejudicial a elas, mesmo que os sintomas que elas apresentem sejam iguais aos seus.
    *Se algum dos efeitos colaterais se tornar grave ou se você apresentar algum efeito colateral que não esteja mencionado nesta bula, informe ao seu médico ou farmacêutico.

    Para que este medicamento é indicado?

    Nactali é usado para evitar a gravidez.

    Como este medicamento funciona?

    Nactali contém uma pequena quantidade de um tipo de hormônio sexual feminino, o progestagênio desogestrel. Por esse motivo, Nactali é chamado de pílula com progestagênio isolado, ou minipílula. Diferentemente das pílulas combinadas, as minipílulas não contêm um hormônio estrogênio associado ao progestagênio. A maioria das minipílulas, age principalmente impedindo a entrada das células do esperma no útero, mas nem sempre impedem a maturação do óvulo, que é a ação principal das pílulas combinadas. Nactali é diferente das outras minipílulas porque apresenta uma dose que, na maioria dos casos, é alta o suficiente para impedir a maturação dos óvulos. Consequentemente, Nactali proporciona eficácia contraceptiva elevada. Ao contrário das pílulas combinadas, Nactali pode ser utilizado por mulheres que não toleram os estrogênios ou que estejam amamentando. Uma desvantagem é que pode ocorrer sangramento vaginal com intervalos irregulares durante o uso de Nactali, assim como pode não ocorrer nenhum sangramento.

    Quando não devo usar este medicamento?

    Este medicamento é contraindicado para uso por mulheres: com alergia a qualquer ingrediente da fórmula. com trombose, que é a formação de um coágulo em um vaso sanguíneo [por exemplo, das pernas (trombose venosa profunda) ou dos pulmões (embolia pulmonar)]. que já teve icterícia (cor amarela da pele) ou doença grave no fígado
    e se a função do fígado ainda não tiver normalizado. que tem ou suspeita que tem um câncer sensível aos esteroides sexuais, tais como determinados tipos de câncer de mama. com qualquer sangramento vaginal de origem desconhecida Se você apresentar qualquer uma dessas condições, informe ao seu médico antes de iniciar o uso de Nactali. Ele poderá lhe aconselhar a utilizar um método não hormonal para o planejamento familiar. Se qualquer uma dessas condições aparecer pela primeira vez enquanto estiver tomando Nactali, consulte seu médico imediatamente. Este medicamento é contraindicado para uso por mulheres grávidas ou que suspeitam que possam estar grávidas.

    O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Nactali, como todos os anticoncepcionais hormonais, não protege contra infecções por HIV (AIDS) ou qualquer outra doença sexualmente transmissível. Informe ao seu médico, antes de iniciar o uso de Nactali se você: já teve câncer de mama; tem câncer no fígado, uma vez que um possível efeito de Nactali não pode ser excluído; já teve formação de coágulo em um vaso sanguíneo (trombose); tem diabetes; sofre de epilepsia (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Ingestão concomitante com outras substâncias”); tem tuberculose (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Ingestão concomitante com outras substâncias”); tem pressão sanguínea alta; tem ou teve cloasma (manchas marrom-amareladas na pele, particularmente no rosto); neste caso, evite muita exposição ao sol ou raios ultravioleta. Se Nactali for utilizado na presença de uma dessas condições, seu médico deverá observá-la cuidadosamente e poderá lhe explicar o que fazer.

    Redução da massa óssea:

    Os estrogênios são importantes para manter a estrutura de seus ossos. Durante o uso de Nactali, a concentração do estrogênio natural estradiol no seu sangue é comparável à observada na primeira metade do ciclo natural, mas é diminuída em comparação com a segunda metade do seu ciclo. Não se sabe se isso afeta ou não a estrutura de seus ossos.

    Câncer de mama:

    Examine regularmente suas mamas e consulte o seu médico assim que possível, se você sentir qualquer caroço (nódulo) nas suas mamas. O câncer de mama tem sido encontrado um pouco mais frequentemente em mulheres que tomaram pílulas do que naquelas da mesma idade que não as tomaram. Quando a mulher para de tomar a pílula, o risco diminui gradativamente, de modo que 10 anos depois de interromper o tratamento com pílulas, o risco é o mesmo que aquele apresentado por mulheres que nunca tomaram pílulas. O câncer de mama é raro abaixo dos 40 anos de idade, mas o risco aumenta à medida que a mulher fica mais velha. Portanto, o número adicional de cânceres de mama diagnosticados é maior em mulheres que usam pílula em idade mais avançada. O tempo de tratamento com pílulas é menos importante. A cada 10000 mulheres que tomam pílulas por até 5 anos, mas para ram de tomá-las por volta dos 20 anos de idade, haverá 1 caso adicional de câncer de mama encontrado até 10 anos depois de interrompido o tratamento, além dos 4 casos normalmente diagnosticados nesse grupo etário. Da mesma forma, a cada 10000 mulheres que tomam pílulas por até 5 anos, mas param de tomá-las por volta dos 30 anos, haverá 5 casos adicionais de câncer de mama além dos 44 casos normalmente diagnosticados. A cada 10000 mulheres que tomam pílulas por até 5 anos, mas param de tomá-las por volta dos 40 anos, haverá 20 casos adicionais de câncer de mama além dos 160 casos normalmente diagnosticados. Acredita-se que o risco de câncer de mama em usuárias de pílulas que contenham apenas progestagênio, como Nactali, é semelhante aquele das mulheres que usam a pílula combinada, mas a evidência é menos conclusiva. Parece que os cânceres de mama nas mulheres que tomam pílulas se espalham menos do que os encontrados nas que não as tomam. Não se sabe se a diferença no risco de câncer de mama é causada pela pílula. Pode ser que as mulheres sejam examinadas com maior frequência, de modo que o câncer de mama é descoberto mais precocemente.

    Trombose:

    Se você notar possíveis sinais de uma trombose, consulte imediatamente o seu médico (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Quando você deve consultar o seu médico?”). Trombose é a formação de um coágulo que pode bloquear um vaso sanguíneo. A trombose às vezes ocorre nas veias profundas da perna (trombose venosa profunda). Se o coágulo se rompe e se desloca da veia onde foi formado, pode atingir e bloquear as artérias dos pulmões, causando a então chamada “embolia pulmonar”. Consequentemente, podem ocorrer situações fatais. A trombose venosa profunda raramente ocorre. Ela pode se desenvolver se você estiver tomando pílulas ou não. Ela também pode ocorrer se você engravidar. O risco é maior em usuárias de pílulas do que em não usuárias. Acredita-se que o risco com pílulas contendo somente progestagênio, como é o caso de Nactali, seja mais baixo do que em mulheres que usam pílulas combinadas contendo também estrogênios.

    Sangramento vaginal:

    Durante o tratamento com Nactali, pode ocorrer sangramento vaginal em intervalos irregulares. Pode ser mínimo, não necessitando do uso de absorvente, ou maior, mais parecido a um período menstrual curto, requerendo uso de absorvente. Você pode também não apresentar nenhum sangramento. Os sangramentos irregulares não são sinais de redução da proteção contraceptiva do Nactali. Em geral, não é necessário tomar nenhuma providência; apenas continue a tomar o Nactali normalmente. Entretanto, se o sangramento for abundante ou prolongado, consulte seu médico.

    Cistos ovarianos:

    Durante o tratamento com anticoncepcionais hormonais de baixa dose, podem se desenvolver pequenas bolsas contendo líquido nos ovários, chamados de cistos ovarianos. Geralmente, eles desaparecem espontaneamente. Algumas vezes, eles causam dores abdominais leves. Apenas raramente, podem causar problemas mais graves.

    Exames médicos periódicos:

    Enquanto estiver usando Nactali, seu médico solicitará seu retorno regularmente às consultas. Em geral, a frequência e o tipo de avaliação clínica dependerão de sua condição clínica individual. Consulte seu médico imediatamente se você: sentir dor intensa ou inchaço nas pernas, dores inexplicáveis no peito, dificuldade para respirar, tiver tosse anormal, especialmente se expelir sangue (possivelmente indicando uma trombose); tiver dor intensa e repentina de estômago ou ficar com aspecto de que tem icterícia (coloração amarela da pele, possivelmente indicando problemas no fígado); sentir nódulos nas suas mamas (possivelmente indicando câncer de mama); tiver dor intensa ou repentina no abdome ou na área do estômago (possivelmente indicando uma gravidez ectópica, que é uma gravidez fora do útero); precisar ser imobilizada, ou se for submetida a cirurgia (avise o seu médico com pelo menos quatro semanas de antecedência); tiver sangramento vaginal anormal, intenso; suspeitar que está grávida.

    Quando você deve consultar o seu médico?

    Lactação:

    Nactali pode ser utilizado durante a amamentação, pois não influencia na produção ou a qualidade do leite materno. Entretanto, pequenas quantidades da substância ativa de Nactali passam para o leite. A saúde de crianças amamentadas durante 7 meses por mães que tomaram desogestrel foi avaliada até os 2,5 anos de idade. Não foram observados efeitos sobre o crescimento e desenvolvimento dessas crianças. Se estiver amamentando e desejar tomar desogestrel, consulte o seu médico. Efeitos sobre a habilidade de dirigir e operar máquinas: não há indicações de qualquer efeito do uso de Nactali sobre o estado de alerta e concentração. Informação importante sobre alguns ingredientes de Nactali: contém lactose (açúcar do leite). Se você sabe que tem intolerância a alguns açúcares, informe ao seu médico antes de iniciar o tratamento com Nactali.

    Pacientes idosas:

    Nactali é medicamento de uso exclusivo em pacientes em idade gestacional. Não se destina a uso em pacientes com idade = 60 anos. Ingestão concomitante com outras substâncias: informe ao seu médico ou farmacêutico se você está tomando ou tomou recentemente qualquer outro medicamento ou produtos fitoterápico, incluindo os medicamentos obtidos sem prescrição médica. Alguns medicamentos podem impedir que Nactali funcione adequadamente. Entre eles estão incluídos os utilizados para tratamento da: epilepsia (por ex., primidona, fenitoína, carbamazepina, oxcarbazepina, felbamato e fenobarbital); tuberculose (por ex., rifampicina, rifabutina); infecções por HIV (por ex., ritonavir) ou outras doenças infecciosas (por ex., griseofulvina); mal estar gástrico (carvão medicinal); depressão (à base da planta Erva de São João – Hypericum perforatum ou St. John’s wort). O seu médico pode lhe dizer se é necessário que adote precauções anticoncepcionais adicionais e, em caso afirmativo, por quanto tempo. Nactali também pode interferir no funcionamento de determinados medicamentos, ocasionando um aumento (por ex., medicamentos contendo ciclosporina) ou diminuição do efeito. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

    Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    Conservar em temperatura ambiente (15ºC a 30°C), protegido da luz e da umidade. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Os comprimidos são revestidos, circulares, biconvexo, lisos e de cor branca. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

    Como devo usar este medicamento?

    Cada cartela de Nactali contém 28 comprimidos. Se você olhar a parte de trás de sua cartela, verá que os dias da semana estão impressos na cartela. Cada dia corresponde a um comprimido. A cada nova cartela de Nactali, inicie pelo comprimido da 1ª linha (linha de cima) marcado com o dia da semana correspondente. Não comece a tomar por um comprimido qualquer. Por exemplo, se você iniciar sua nova cartela em uma quarta-feira, você deve tomar o comprimido da primeira fileira marcado na parte de trás da cartela com “QUA”. Continue a tomar um comprimido por dia até terminar a cartela, sempre seguindo a direção indicada pelas setas. Assim, você pode verificar facilmente se tomou o comprimido do dia olhando a parte de trás de sua cartela. Tome o seu comprimido diariamente, aproximadamente no mesmo horário. Engula seu comprimido inteiro, com o auxílio de um copo de água. Pode ocorrer algum sangramento durante o uso do Nactali, mas você deve continuar a tomar os seus comprimidos normalmente. Quando terminar uma cartela, deve ser iniciada uma nova cartela de Nactali no dia seguinte – sem interrupção e sem esperar a menstruação. Começando a tomar sua primeira cartela de Nactali. Se não tiver utilizado nenhum anticoncepcional hormonal no último mês: espere pelo início de sua menstruação. No 1° dia de sua menstruação, tome o 1° comprimido de Nactali. Você não precisa tomar precauções anticonceptivas adicionais. Você também poderá iniciar entre o 2° e o 5° dia de sua menstruação, mas, neste caso, certifique-se de usar um método anticonceptivo adicional (método de barreira durante os primeiros 7 dias de tratamento). Se você tomou uma pílula combinada, ou usou um anel vaginal ou um adesivo na pele: você pode começar a tomar Nactali no dia seguinte depois de ter tomado o último comprimido de sua cartela, ou no dia da retirada do seu anel vaginal ou do adesivo (ou seja, sem fazer nenhum intervalo). Caso a cartela de pílulas atual contenha comprimidos inativos, você pode começar
    a tomar Nactali no dia seguinte depois de ter tomado o último comprimido ativo ( caso você não tenha certeza sobre qual é este comprimido, pergunte ao seu médico ou farmacêutico). Seguindo essas instruções, não será necessário utilizar nenhuma precaução anticonceptiva adicional. Você também pode iniciar no mais tardar no intervalo sem o uso do comprimido, anel ou adesivo, ou no intervalo do placebo do seu método anticonceptivo atual. Se você usar esse método, certifique-se de usar durante o primeiro ciclo, um método anticonceptivo adicional (método de barreira) durante os primeiros 7 dias de tratamento. Se você tomou outra pílula à base de progestagênio isolado (minipílula): você pode parar de tomar a minipílula em qualquer dia e começar a tomar Nactali imediatamente. Não será necessário utilizar nenhuma precaução anticonceptiva adicional. Se você utilizou um método anticonceptivo injetável, implante ou um dispositivo intrauterino que libera progestagênio–DIU: comece a tomar Nactali no dia em que deveria tomar a próxima injeção ou no dia em que remover o implante ou o DIU. Não será necessário utilizar nenhuma precaução anticonceptiva adicional. Após o parto: você pode iniciar Nactali entre o 21º e o 28º dia após o parto. Se iniciar mais tarde, certifique-se de usar no primeiro ciclo um método anticonceptivo adicional (método de barreira) durante os primeiros 7 dias de tratamento. Entretanto, se já teve uma relação sexual, deve ser afastada a possibilidade de você estar grávida antes de iniciar o uso do Nactali. Informações adicionais sobre mulheres que estão amamentando encontram-se em outro item desta bula (veja item “4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Lactação”) . Você pode, também, obter informações com seu médico.

    Após um aborto:

    Seu médico vai orientá-la sobre o assunto. Se você tiver distúrbios gastrintestinais (por ex., vômitos ou diarreia grave): siga as instruções para comprimidos esquecidos (veja item “7. O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?”). Se vomitar ou usar carvão ativado dentro de 3-4 horas após ter tomado o seu comprimido de Nactali, ou se tiver diarreia grave, o componente ativo pode não ter sido absorvido completamente.

    Interrupção de tratamento:

    Você pode parar de tomar Nactali a qualquer momento. A partir do dia em que parar de tomar os comprimidos, você não mais estará protegida contra a gravidez. Se tiver qualquer outra dúvida sobre o uso desse produto, consulte o seu
    médico ou farmacêutico. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

    O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Se o tempo de atraso da tomada do comprimido for de até 12 horas da hora em que toma normalmente, a confiabilidade de Nactali está mantida. Tome o comprimido esquecido logo que lembrar e continue tomando os próximos comprimidos no horário habitual. Se o tempo de atraso for maior que 12 horas, a confiabilidade de Nactali pode ter sido reduzida. Quanto mais comprimidos consecutivos forem esquecidos, maior o risco de redução da eficácia contraceptiva. Tome o último comprimido esquecido logo que lembrar e continue tomando os próximos comprimidos no horário habitual. Use um método anticonceptivo adicional (método de barreira) também nos próximos 7 dias de tratamento. Se esquecer 1 ou mais comprimidos na primeira semana de tratamento e tiver tido relações sexuais na semana anterior ao esquecimento dos comprimidos, a possibilidade de gravidez deve ser considerada. Nesse caso consulte o seu médico. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião dentista.

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Assim como qualquer medicamento, Nactali pode causar reações adversas, embora nem todas as mulheres as apresentem. As reações adversas graves associadas com o uso das pílulas anticonceptivas são descritas nos itens “4.O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? – Câncer de mama e Trombose”. Leia esses itens para informações adicionais e consulte o seu médico se necessário. As reações a seguir foram relatadas por pacientes que estavam tomando desogestrel: Reações comuns (ocorrem em mais do que 1% das pacientes que utilizam este medicamento): espinhas (acne), dor nas mamas, diminuição da libido, dor de cabeça, menstruação irregular ou ausência de menstruação, alterações de humor, náuseas e aumento de peso. Reações incomuns (ocorrem entre 0,1% e 1% das pacientes que utilizam este medicamento): dificuldade em usar lentes de contato, queda de cabelo, infecção vaginal, menstruação dolorosa, aparecimento de cistos no ovário, cansaço e vômito Reações raras (ocorrem em menos do que 0,1% das pacientes que utilizam este medicamento): vermelhidão na pele, urticária, eritema nodoso (nódulos vermelho-azulados dolorosos na pele). Além desses efeitos colaterais, pode ocorrer secreção das mamas. Se alguma dessas reações adversas se tornar grave, ou se você apresentar qualquer reação adversa que não esteja mencionada nesta bula, informe ao seu médico ou farmacêutico. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    Não há relatos de efeitos perigosos graves se tomar muitos comprimidos de desogestrel de uma vez. Podem ocorrer sintomas como náusea e vômito e, ainda, um leve sangramento vaginal em mulheres ou jovens. Para maiores informações consulte o médico. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações. MS nº: 1.0033.0171
    Farmacêutica Responsável: Cintia Delphino de Andrade – CRF -SP nº: 25.125
    Registrado por: Libbs Farmacêutica Ltda.
    Rua Josef Kryss, 250 – São Paulo – SP
    CNPJ: 61.230.314/0001-75
    Fabricado por: Libbs Farmacêutica Ltda.
    Rua Alberto Correia Francfort, 88 – Embu das Artes – SP
    Indústria Brasileira
    www.libbs.com.br
    Venda sob prescrição médica.

    Tags: , , , , , , , , , , , ,

  • trombofob-e-destinado-ao-tratamento-de-distensoes-e-contusoes

    Trombofob®

    Pomada
    heparina sódica
    nicotinato de benzila

    Apresentação:

    Pomada dermatológica de: – 50U + 2mg: Embalagem com 1 bisnaga de 40 g.
    Uso Tópico
    Uso Adulto e Pediátrico

    Composição:

    Cada grama de pomada de TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) contém: heparina sódica ………………………. 50 Unicotinato de benzila ………………… 2,067 mg. Excipientes: álcool cetílico, álcool estearílico, laurilsulfato de sódio, álcool de lanolina, vaselina, parafina, éster decílico ácido oléico, hidróxido de sódio, metilparabeno, propilparabeno, água purificada.

    Informações ao Paciente:

    Para que este medicamento é indicado?

    TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) é destinado ao tratamento de: distensões e contusões; tromboflebites (inflamação da veia junto à formação de um trombo) e tromboses superficiais; infiltrados inflamatórios e hematomas; tenossinovites (inflamação dos tendões juntamente a sua bainha de revestimento) e epicondilites (inflamação do tendão responsável pelo movimento do punho e dos dedos das mãos); flebites pós-injeções e venóclise (punção da veia).

    Como este medicamento funciona?

    TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) facilita a desintegração dos trombos, restabelecendo a circulação sanguínea, e evitando a formação de coágulos. Nas contusões e distensões, a aplicação imediata de TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) pode evitar a formação de hematomas ou, pelo menos, acelerar sua reabsorção. Em casos de tendinite (inflamação de um ou mais tendões), tenossinovite (inflamação dos tendões juntamente a sua bainha de revestimento) e epicondilite (inflamação da junta do cotovelo), seu emprego diminui a dor e permite volta mais rápida às atividades cotidianas. O tempo médio estimado para o início da ação de TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) pode variar de acordo com as características específicas de cada paciente.

    Quando não devo usar este medicamento?

    TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) é contraindicado em pacientes com: tendência à hemorragia, hipersensibilidade (alergia) aos componentes da fórmula e para pacientes com incompatibilidade aos anticoagulantes.

    O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Advertências e Precauções:

    O produto deve ser usado com cuidado em pacientes que apresentem manifestações alérgicas. O componente nicotinato de benzila, presente no TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila), pode produzir irritação na pele em alguns pacientes. A leve vermelhidão da área deve ser considerada normal, pois é um indicativo da ação do nicotinato de benzila, aumentando a irrigação sanguínea local. O aparecimento de prurido (coceira), com formação ou não de pequenas bolhas locais, num período de 48 h, sugere um processo alérgico a um dos componentes da fórmula. Neste caso, o tratamento com o produto deve ser interrompido. Cuidados e advertências para populações especiais: Não há estudos clínicos específicos para grupos de risco, no entanto, até o momento, não há relatos de reações adversas graves devido à faixa etária do paciente ou a qualquer outra condição especial de saúde. Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.Rua Michigan 735, Brooklin
    São Paulo – SP
    CEP: 04566-905
    Tel: 55 11 5536 7000
    Fax: 55 11 5536 7126
    Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

    Interações medicamentosas:

    Não são conhecidas, até o momento, reações devido ao uso de TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) com outros medicamentos. Informe ao médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

    Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) deve ser conservado em temperatura ambiente (15-30ºC). Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamentos com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Características físicas e organolépticas TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) é apresentado como uma pomada de coloração branca com odor característico. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

    Como devo usar este medicamento?

    Aplicar fina camada de TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) sobre a pele da região afetada, 2 a 3 vezes ao dia. Evitar fricção ou massagem em casos de trombose e tromboflebite. Deve-se evitar aplicar a pomada sobre a ferida, fazendo-se aplicação somente ao seu redor. Também as mucosas, especialmente a conjuntiva ocular, não devem entrar em contato com a pomada. Após a aplicação da pomada, as mãos devem ser lavadas com sabão. Continuar o tratamento durante alguns dias após desaparecimento dos sintomas. A vermelhidão da pele após aplicação de TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) é normal, indicando a ação terapêutica do medicamento. Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu médico ou de seu cirurgião-dentista.

    O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Caso você se esqueça de utilizar TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila), utilize tão logo se lembre. Não são necessárias ações especiais em caso de esquecimento da dose. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou se seu médico, ou cirurgião dentista.

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    A frequência das reações adversas com o uso de TROMBOFOB®POMADA (heparina sódica e nicotinato de benzila) apresentadas a seguir é desconhecida. Podem ocorrer reações de hipersensibilidade em pessoas propensas, especialmente quando existe história de hipersensibilidade (alergia) devido à exposição anterior. O componente nicotinato de benzila pode causar irritação na pele, principalmente em pacientes com hipersensibilidade (alergia) ao produto. Lembrar que a leve ruborização (vermelhidão) local é uma reação esperada do nicotinato de benzila e, portanto, deve ser considerada normal. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    Não há relatos de superdosagem com efeitos sistêmicos através do uso tópico de produtos com heparina. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

    DIZERES LEGAIS

    MS: 1.0553.0333
    Farm. Resp.: Ana Paula Antunes Azevedo
    CRF-RJ nº 6572
    Fabricado por: Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.
    Rio de Janeiro – RJ
    INDÚSTRIA BRASILEIRA
    Registrado por: Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.
    Rua Michigan, 735
    São Paulo – SP
    CNPJ 56.998.701/0001-16
    Abbott Center
    Central de Relacionamento com o Cliente 0800 703 1050
    www.abbottbrasil.com.br
    Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas
    procure orientação médica.

    Tags: , , , , , , ,

  • Alzheimer 22.01.2014 No Comments

    ebix-indicado-para-o-tratamento-da-doença-de-alzheimer-moderada-a-grave

    Ebix™

    cloridrato de memantina

    Apresentação:

    10 mg comprimidos: cartuchos de cartolina com 1 ou 2 cartelas com 14 comprimidos cada. Uso Adulto

    Administração:

    Via Oral

    Composição:

    Cada comprimido revestido do EBIX™ 10 mg contém 10 mg de cloridrato de memantina, equivalente a 8,31 mg de memantina (base), a substância ativa desse medicamento. Contêm também os excipientes: lactose, celulose microcristalina, sílica coloidal, estearato de magnésio,copolímero do ácido metacrílico – acrilato de etila, laurilsulfato de sódio, polissorbato, triacetina e emulsão de simeticona.

    Informações ao Paciente:

    Para que o Ebix™ é indicado?

    O EBIX™ é indicado para: O tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

    Como o  O Ebix™ funciona?

    A perda de memória associada à doença de Alzheimer deve-se a alterações na transmissão de sinais no cérebro. O cérebro contém receptores do tipo N-metil-D-aspartato (NMDA) envolvidos na transmissão de sinais nervosos em áreas importantes para aprendizagem e memória. O EBIX™ é um antagonista dos receptores NMDA; ele atua nestes receptores, melhorando a transmissão dos sinais nervosos e a memória.

    Quando não devo usar o Ebix™ ?

    Não tomar o EBIX™ se você for alérgico ao cloridrato de memantina ou a qualquer outro componente da formulação (veja em COMPOSIÇÃO).
    ESTE MEDICAMENTO NÃO DEVE SER UTILIZADO POR MULHERES GRÁVIDAS SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA OU DO CIRURGIÃO-DENTISTA.

    O Que devo saber antes de usar o Ebix™ ?

    Avisar ao seu médico se teve ou tem algum problema de saúde. Fale com seu médico principalmente se você: ? tem epilepsia; ? teve infarto do miocárdio (ataque cardíaco) recente; ? sofre de comprometimento cardíaco congestivo; ? sofre de hipertensão (pressão arterial alta) não controlada. Nestas situações, o tratamento deve ser supervisionado cuidadosamente e os benefícios clínicos do EBIX™ devem ser avaliados pelo seu médico regularmente. Se você tem comprometimento do funcionamento dos rins, o seu médico deverá monitorar cuidadosamente a sua função renal e, se necessário, ajustar as doses do EBIX™. Deve ser evitada a utilização de medicamentos como a amantadina (para o tratamento da doença de Parkinson),quetamina (uma substância geralmente usada como anestésico), dextrometorfano (usado geralmente para tratar a tosse) e outros antagonistas do NMDA em paralelo ao tratamento com o EBIX™. CONDUÇÃO DE VEÍCULOS E UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS O seu médico lhe dirá se sua doença lhe permite conduzir e utilizar máquinas com segurança. Além disso, o EBIX™ pode alterar a sua capacidade de reação, o que pode comprometer a sua capacidade de conduzir ou operar de máquinas. DURANTE O TRATAMENTO, O PACIENTE PRECISA TER ESPECIAL ATENÇÃO AO DIRIGIR CARROS OU OPERAR MÁQUINAS, POIS A SUA HABILIDADE E ATENÇÃO PODEM ESTAR PREJUDICADAS.

    Gravidez e Aleitamento:

    Informe o seu médico caso esteja grávida ou se pretende engravidar. A utilização do EBIX™ em mulheres grávidas não é recomendada. Mulheres que tomem o EBIX™ não devem amamentar. PRINCIPAIS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS COM O EBIX™ Alguns medicamentos podem afetar a ação de outros, e isso pode causar sérias reações adversas. O EBIX™ e os medicamentos abaixo devem ser associados somente com orientação médica. Comunicar ao seu médico ou farmacêutico todos os medicamentos que estiver em uso ou que tenha feito uso recentemente, o que inclui os medicamentos sem necessidade de receita médica. (veja também em QUANDO NÃO DEVO USAR O EBIX™?). Os efeitos dos seguintes medicamentos, principalmente, podem ser alterados pelo EBIX™ e o seu médico poderá achar necessário ajustar as respectivas doses: amantadina, quetamina, dextrometorfano dantroleno, baclofeno cimetidina, ranitidina, procainamida, quinidina, quinina, nicotina hidroclorotiazida (ou qualquer outra combinação com hidroclorotiazida) anticolinérgicos (geralmente utilizados para tratar perturbações do movimento ou cólicas intestinais) anticonvulsivantes (utilizados para evitar ou atenuar convulsões) barbitúricos (utilizados geralmente para induzir o sono) agonistas dopaminérgicos (como L-dopa, bromocriptina) neurolépticos (utilizados no tratamento da esquizofrenia e alguns como estabilizadores do humor) anticoagulantes orais Se for hospitalizado, informe o seu médico de que está utilizando o EBIX™.

    O Ebix™ Interage com alimentos ou bebidas?

    O EBIX™ não interage com alimentos ou bebidas. Entretanto, informe o seu médico caso tenha alterado recentemente – ou pretenda alterar – a sua dieta substancialmente (ex: de uma dieta normal para uma dieta estritamente vegetariana) ou se sofrer de estados de acidose tubular renal (disfunção nos rins que gera um excesso de substâncias formadoras de ácido no sangue) ou infecções graves das vias urinárias (função renal prejudicada), uma vez que poderá ser necessário que o seu médico faça um ajuste da dose do medicamento.

    O Ebix™ Interage com álcool?

    Apesar de não haver interação conhecida, recomenda-se não ingerir álcool durante o tratamento com o EBIXTM. INFORME AO SEU MÉDICO OU CIRURGIÃO-DENTISTA SE VOCÊ ESTÁ FAZENDO USO DE ALGUM OUTRO MEDICAMENTO. NÃO USAR MEDICAMENTOS SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE. O EBIX™ comprimidos 10 mg contém LACTOSE. Pacientes com problemas hereditários raros de intolerância a alguns açúcares não devem utilizar este medicamento. Converse com o seu médico sobre isto.

    Onde, como e por quanto tempo posso guardar o Ebix™?

    Guardar o EBIX™ em temperatura ambiente (entre 15º C a 30 ºC). Proteger a embalagem da umidade e do calor. O prazo de validade do EBIX™ 10mg é de 48 meses e encontra-se gravado na embalagem externa. Em caso de vencimento, inutilizar o produto. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Para sua segurança, mantenha o medicamento na
    sua embalagem original.

    Aspecto físico do Ebix™ :

    EBIX™ comprimidos 10 mg: oblongo, biconvexo, branco e sulcado em ambos os lados.

    Características organolepticas Ebix™:

    Comprimidos de 10 mg não tem cheiro ou gosto. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso você observe alguma mudança no aspecto do medicamento que ainda esteja no prazo de validade, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.
    TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS

    Como devo usar o Ebix™?

    Instruções de Uso,O Ebix™ deve ser administrado por via oral, preferencialmente com água. Para obter o maior benefício do seu medicamento, deve tomá-lo todos os dias, à mesma hora do dia, com ou sem alimentos. O comprimido de Ebix™ 10 mg pode ser partido. Os comprimidos não devem ser mastigados. A tolerância e a dosagem da memantina devem ser reavaliadas regularmente pelo seu médico. A primeira avaliação deve ser após os 3 primeiros meses de tratamento. Depois disso, o médico reavaliará regularmente os benefícios clínicos e sua tolerância ao tratamento. Somente o médico pode avaliar e decidir pela manutenção ou descontinuação do tratamento com Ebix™.

    Posologia:

    A dose recomendada do Ebix™ é de 20 mg por dia. Para minimizar o risco de efeitos adversos indesejáveis, a dose de manutenção é atingida seguindo o seguinte esquema: Semana 1 5 mg/dia,Semana 2 10 mg/dia,Semana 3 15 mg/dia. A partir da Semana 4 20 mg/dia.O tratamento deve ser iniciado com 5 mg diários (meio comprimido) durante a primeira semana. Na segunda semana, 10 mg por dia (meio comprimido, duas vezes por dia) e na terceira semana é recomendada a dose de 15 mg por dia (um comprimido de manhã e meio comprimido à tarde). A partir da quarta semana, o tratamento pode ser continuado com a dose de manutenção recomendada de 20 mg por dia (um comprimido, duas vezes por dia). CRIANÇAS E ADOLESCENTES ( 1/100 e ? 1/10) dos pacientes que utilizam este medicamento:• Dor de cabeça, sonolência, prisão de ventre, tonturas, distúrbios de equilíbrio, falta de ar (dispnéia), pressão arterial elevada, hipersensibilidade ao medicamento e testes de função do fígado elevados. Reação incomum – ocorre entre 0,1% e 1% (> 1/1.000 e ? 1/100) dos pacientes que utilizam este medicamento: • Falência cardíaca, cansaço, infecções fúngicas, confusão, alucinações, vômitos, alterações na forma de andar e coagulação sanguínea venosa (trombose, tromboembolia). Muito raro – ocorre em menos de 0,01% (< 1/10.000) dos pacientes que utilizam este medicamento: • Convulsões Desconhecido
    (a frequência não pode ser estimada a partir dos dados disponíveis)• Inflamação do pâncreas, inflamação do fígado (hepatite) e reações psicóticas.
    A doença de Alzheimer tem sido associada a depressão, pensamentos suicidas e suicídio. Estes efeitos têm sido notificados com pacientes tratados com o EBIX™. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos adversos não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico imediatamente.
    INFORME AO SEU MÉDICO, CIRURGIÃO-DENTISTA OU FARMACÊUTICO O APARECIMENTO DE REAÇÕES INDESEJÁVEIS PELO USO DO MEDICAMENTO. INFORME TAMBÉM À EMPRESA ATRAVÉS DO SEU SERVIÇO DE ATENDIMENTO.

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada de Ebix™ ?

    Geralmente, utilizar muito EBIX™ não agrava sua saúde. Você pode experimentar o aumento dos sintomas descritos na seção “QUAIS OS MALES QUE O EBIX™ PODE CAUSAR?”. Se ingerir altas concentrações de Ebix™, contate seu médico imediatamente ou ir ao hospital mais próximo,mesmo na ausência de desconforto ou sinais de intoxicação, para que sejam realizados os procedimentos médicos adequados. Não existe antídoto específico. O tratamento é sintomático e de suporte. Levar a caixa do Ebix™ ao médico ou hospital. Sintomas de superdose incluem cansaço, fraqueza e/ou diarréia (veja em QUAIS OS MALES QUE O EBIX™ PODE CAUSAR?). Em caso de uso de grande quantidade deste medica mento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se precisar de mais orientações.

    DIZERES LEGAIS

    Reg. MS nº 1.0475.0050.005-5
    1.0475.0050.006-3
    Farm. Resp.: Michele Medeiros Rocha – CRF-RJ 9597
    VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA.
    Fabricado por Rottendorf Pharma GmbH – Ennigerloh – Alemanha.
    Embalado por Merz Pharma GmbH &Co. KgaA – Reinheim – Alemanha.
    Importado e distribuído por Lundbeck Brasil Ltda.
    Rua Maxwell, 116 – Rio de Janeiro – RJ
    CNPJ: 04.522.600/0002-51
    Central de Atendimento: 0800-282-4445

    Tags: , , , , , , , , , , ,

  • remedio-alicura-indicado-para-tratamento-dor-febre-inflamacaoAlicura

    Ácido acetilsalicílico e cafeína

    Forma farmacêutica e apresentação:

    Comprimido – cartucho com 50 envelopes x 4 comprimidos.
    Via Oral
    Uso Adulto
    Contém 200 comprimidos.

    Composição:

    Cada comprimido contém: Ácido acetilsalicílico ……………………….. 400 mg Cafeína…………………………………………… 50 mg
    Excipientes: lactose,amido,celulose microcristalina.

    Informações ao Paciente:

    Para Que Este Medicamento é Indicado?

    Este medicamento é destinado ao tratamento de dor,febre e inflamação. É utilizado no alívio sintomático de gripes e resfriados. Como analgésico é utilizado nas dores de cabeça,dores musculares,sinusites,neuralgias (dor associada aos nervos) e dores de dente.Como antiinflamatório é utilizado na artrite (inflamação das articulações) e outras condições reumáticas.

    Como Este Medicamento Funciona ?

    ácido acetilsalicílico promove o alívio da dor através de um mecanismo que impede a transmissão da dor às células;apresenta efeito antitérmico atuando nas áreas de controle da temperatura do cérebro; possui ainda atividade antiinflamatória inibindo a produção de substâncias responsáveis pela inflamação. Apresenta efeito anticoagulante (aumenta o tempo de sangramento) sendo por isso empregado na prevenção de distúrbios circulatórios e trombose. A cafeína age estimulando o sistema nervoso central,melhorando o ânimo e a disposição. O tempo médio de ínicio de ação do medicamento é de cerca de 15 a 30 minutos após a administração do produto.

    Quando Não Devo Usar Este Medicamento ?

    Alicura é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao ácido acetilsalicílico,cafeína ou aos outros componentes da fórmula. O ácido acetilsalicílico é contra-indicado em todos os pacientes alérgicos ao fármaco e pacientes portadores de lesões na mucosa gástrica  (revestimento do estômago). Seu emprego deve ser evitado em pacientes com lesão grave do figado,em hemofílicos (o corpo dessas pessoas não pode controlar sangramentos) e naqueles que estejam fazendo anticoagulantes (medicamentos para prevenir a formação de trombos no sangue). O ácido acetilsalicílico aumenta o tempo de coagulação sanguínea. Por isso, não deve ser utilizado em pacientes com qualquer doença do sangue. Este medicamento é contra-indicado para uso por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista [Categoria C]. Este medicamento é contra-indicado para menores de 12 anos.

    O Que Devo Saber Antes de usar Este Medicamento ?

    Aconselha-se a interrupção de seu uso uma semana antes de uma cirurgia para evitar ou minimizar o sangramento pós operatória excessivo.Não exceder a posologia recomendada na bula sem prévia orientação médica. O seu uso,em conjunto com álcool pode causar hemorragia gastrintestinal. Alicura deve ser evitado durante o primeiro trimestre da gravidez ou durante a lactação.

    Interações Medicamentosas:

    A administração do ácido acetilsalicílico com anticoagulantes orais potencializa a ação anticoagulante. Pode ser aumentada a atividade hipoglicemiante (atividade que reduz o nível de glicose no sangue) da sulfaniluréia. Diminui o efeito de medicamentos que aumentam a excreção de ácido úrico como a probenecida e a sulfimpirazona. Os efeitos dos seguintes medicamentos são intensificados: anticoagulantes; corticóides (risco de hemorragia gastrintestinal); antiinflamatórios não-esteróides;sulfoniluréias;metotrexato;digoxina;barbitúricos e lítio (concentração plasmática); sulfonamidas e suas associações; ácido valpróico. Os efeitos dos seguintes medicamentos são reduzidos: antagonistas da aldosterona e diuréticos de alça (dois tipos de diuréticos); anti-hipertensivos; uricosúricos (medicamentos que aumentam a excreção de ácido úrico). Até em baixas doses, o ácido acetilsalicílico reduz a excreção de ácido úrico. Isto pode gerar crise de gota em pacientes que já apresentem tendência à excreção reduzida de ácido úrico. A cafeína suprime o efeito sedativo de fármacos como barbitúricos e anti-histamínicos. Apresenta sinergia (efeito cumulativo) no efeito taquicardizante dos simpatomiméticos,tiroxina. Contraceptivos orais,cimetidina e dissulfiram (medicamentos usados no tratamento de alcoólismo crônico) tornam lenta a degradação da cafeína no fígado enquanto os barbitúricos e o fumo a aceleram. A cafeína reduz a excreção da teofilina e aumenta o potencial dependente das substâncias do tipo da efedrina. O uso simultâneo dos inibidores das girases do tipo do ácido quinolonocarboxílico pode retardar a eliminação da cafeína e de seu metabólito paraxantina. Antiácidos podem aumentar a excreção de ácido acetilsalicílico na urina alcalina. Ácido acetilsalicílico deve ser evitado por 8 a 12 dias após o uso de mifepristona pelo risco teórico que a inibição da síntese de prostaglandina pode alterar a eficácia da mifepristona. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

    Onde,Como e Por Quanto Tempo Posso Guardar Este Medicamento?

    Alicura deve ser guardado em sua embalagem original,à temperatura ambiente [15 a 30ºC] e protegendo-o da umidade. O produto Alicura apresenta validade de 24 meses. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Após a abertura da embalagem,o produto deve ser guardado adequadamente para se manter  próprio ao consumo dentro do prazo de validade. O produto Alicura apresenta-se em comprimidos circulares,biplanos e sulcados,de coloração branca. Antes de usar,observe o aspecto do medicamento.Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto,consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

    Como Devo Usar Este Medicamento?

    Este medicamento não deve ser utilizado por via de administração não recomendada. Os comprimidos devem ser ingeridos por via oral.A posologia foi estabelecida em 1 a 2 comprimidos,3 vezes ao dia,de preferência após as refeições.A dose máxima deste medicamento deverá ser 6 comprimidos ao dia,dividida em 3 doses. Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas,procure orientação médica ou de seu cirurgião-dentista. Este medicamento não deve ser partido,aberto ou mastigado.

    O Que Devo Fazer Quando e Um e Esquecer de Usar Este Medicamento

    Caso você esqueça de tomar uma dose do produto Alicura,não é necessário tomar a dose esquecida,deve-se apenas tomar a próxima dose,no horário correto.Nunca tome uma dose dobrada para compensar a dose perdida. Em caso de dúvidas,procure orientação do farmacêutico ou de seu médico,ou cirurgião-dentista.

    Quais os Males Que Este Medicamento Pode Me Causar?

    Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam o produto): o uso prolongado do ácido acetilsalicílico em altas doses tem sido associado com necrose das papilas renais (morte de uma parte do rim). Casos raros de reações de hipersensibilidade como falta de ar e erupções da pele podem ocorrer. Casos isolados de alteração da função do figado e do rim,e hipoglicemia (baixa nível de glicose no sangue). Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): em doses normais são raras,sendo que as mais comuns são distúrbios gastrointestinais (indigestão,náuseas,vômitos e sangramentos internos). Úlcera gastrintestinal pode ocorrer ocasionalmente,em alguns casos,com sangramento e perfuração. Informe ao seu médico,cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

    O Que Fazer Se Alguém Usar Uma Quantidade Maior do Que á Indicada Deste Medicamento ?

    Podem ocorrer vômitos,dor de garganta,convulsão (contração involuntária dos músculos), efeito calmante,dificuldade em respirar,líquido nos pulmões,vômito com sangue,problemas no sangue,perda da função do rim ou do fígado Além disso,pode causar taquicardia (aumento da freqência cardíaca),aumento dos movimentos intestinais,respiração e transpiração,seguido de uma fase calmante com sonolência (vontade de dormir) e depressão. Se ocorrer ingestão acidental do produto em doses excessivas,deve-se procurar orientação médica e deve ser considerado o esvaziamento gástrico ou a administração de carvão ativado logo após o incidente. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento,procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento,se possível. Ligue para 08007226001,se você
    precisar de mais orientações. M.S. 1.0066.0047.001-0 Farm. Resp.: Carlos E. de Carvalho CRF-SC Nº4366 Laboratório Catarinense S.A. Rua Dr.João Colin,1053, 89204-001 – Joinville – SC ,CNPJ 84.684.620/0001-87,Indústria Brasileira & SAC 0800-474222 www .labcat.com.br ® = marca registrada do Laboratório Catarinense S.A. Cód.: 151 113(p) Rev . 04/2013 talco,ácido esteárico e povidona .

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,