• AIDS, Doenças 24.08.2012 No Comments

    Infecções oportunistas recorrentes, complicações pulmonares, erupções cutâneas espalhadas por todo o corpo. O quadro é típico da síndrome da imunodeficiência humana (Aids), mas há um detalhe desconcertante: os pacientes não têm HIV. Para completar a confusão, apenas asiáticos e seus descendentes são afetados por um mal que, desde 2004, vem desafiando os cientistas. Ontem, a revista The New England Journal of Medicine fez a primeira descrição da doença misteriosa, que tem um quadro clínico muito semelhante ao da Aids, mas não é transmissível nem contagiosa.

    Ainda sem nome, a síndrome foi investigada por cientistas do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, que conduziu uma pesquisa em hospitais da Tailândia e de Taiwan, envolvendo 203 pessoas doentes e saudáveis. Dessas, 97 estavam infectadas por diversos agentes externos, incluindo micobactérias não tuberculosas (MNTs), uma classe de micro-organismos que se torna extremamente agressiva quando o sistema imunológico está debilitado. Cinquenta e oito participantes tinham tuberculose, doença comum no sudeste asiático, e 45 não possuíam problema de saúde — eles entraram nos testes apenas como grupo de controle.

    Tags: , , , , , , , , , , , ,

  • Um pequeno experimento randomizado descobriu que o mal da montanha pode ser evitado de forma eficaz com o uso de um medicamento comum, barato e de venda livre.

    A doença ocorre em altitudes maiores que 2.400 metros, cujos sintomas podem ser dores de cabeça, fadiga, tontura, náusea e vômitos. O remédio capaz de impedir o mal da montanha é o ibuprofeno, vendido com o nome de Advil e com outros nomes comerciais.

    A doença geralmente desaparece por si própria. Porém, se não for tratada, pode progredir levando à debilidade extrema e, em casos caros, ao inchaço fatal do cérebro. O ibuprofeno talvez seja mais seguro e produza menos efeitos colaterais que os medicamentos usados habitualmente contra a doença, o esteroide dexametasona e o diurético acetazolamida.

    No estudo publicado online no periódico Annals of Emergency Medicine, os pesquisadores designaram de forma aleatória 86 excursionistas a ingerir 600 miligramas de ibuprofeno ou um placebo em quatro pausas durante uma escalada de 1.250 a 3.830 metros de altura. Os participantes responderam a um questionário no qual relatavam os sintomas e classificavam a sua gravidade.

    Entre os participantes do grupo que recebeu o placebo, 69% desenvolveram uma forma grave do mal da montanha, em comparação com 43% dos que tomaram ibuprofeno. Entre os que ficaram doentes, os sintomas foram um pouco mais brandos para os que tomaram ibuprofeno, mas a diferença não foi significativa em termos estatísticos.

    O Dr. Grant S. Lipman, principal autor do estudo e professor adjunto de medicina de emergência da Universidade Stanford, afirmou que o ibuprofeno talvez não funcione em altitudes maiores do que as experimentadas no estudo. No entanto, “trata-se de uma de uma opção bastante factível para as pessoas que estão viajando por altitudes elevadas”, afirmou.

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

  • Fluviral – Indicações

    No alívio das dores de cabeça, febre, coriza, tosse, dores musculares e congestão nasal, sintomas associados com os processos das vias aéreas superiores.

    Apresentação de Fluviral

    compr. cx. c/ 300 (6 x 50) un. Elixir fr. c/ 100 ml

    Fluviral – Informações

    Cada comprimido contém: Paracetamol 400,000 mg Citrato de pentoxiverina 10,000 mg Cloridrato de fenilefrina 10,000 mg Maleato de carbinoxamina 2,000 mg O produto é constituído por uma associação, cujo componente básico é o paracetamol, estando indicado nos processos das vias aéreas superiores, nos quais a dor e a febre fazem parte do quadro. Sua base ativa está apoiada nos efeitos de quatro substâncias: · o paracetamol, substância com definida ação analgésica e antitérmica, segura e eficaz, desprovida de ação gástrica irritativa; · citrato de pentoxiverina, antitussígeno sem ação depressora central, que não causa dependência física ou psíquica e é praticamente isento de efeitos colaterais, · cloridrato de fenilefrina, vasoconstritor que elimina a congestão nasal; · maleato de carbinoxamina, que é um potente anti-histamínico.

    Contra-indicações de Fluviral

    O produto é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida a alguns dos componentes da fórmula. Não deverá ser administrados durante os três primeiros meses de gravidez e após esse período deverá ser administrado nos casos de necessidade sob controle.

    Reações adversas / Efeitos colaterais de Fluviral

    · São raros, sendo o mais comum o desconforto gástrico. · Nos tratamentos prolongados podem surgir discrasias sangüíneas. · A literatura sobre o paracetamol relata, casos de trombocitopenia, pancitopenia, agranulocitose, anemia hemolítica e meta-hemoglobinemia, já tendo sido relatados casos de aplasias medular. · O uso prolongado pode causar necrose papilar renal. · Reações cutâneas têm sido relatadas e incluem principalmente eritema e urticárias. · Dependendo da sensibilidade individual do paciente, leve sonolência poderá ocorrer após a primeira dose. Por esse motivo, recomenda-se aos pacientes especial cuidado ao executarem trabalhos mecânicos que requeiram atenção até que sua reação seja determinada.
    Fluviral – Posologia

    Comprimidos – USO ADULTO Adultos acima de 12 anos: A dose inicial é de 2 comprimidos, e a seguir 1 a 2 comprimidos à cada 4 horas, ou a critério médico.

    Tags: , , , , , , ,

  • Foto-ANADOR-Medicamento-AnalgesicoAnador® Boehringer

    Dipirona sódica

    Analgésico e antipirético

    Uso adulto e pediátrico

    ANADOR – Composição
    Comprimidos: Cada comprimido contém: Dipirona sódica 500 mg; Excipientes: metilcelulose, polivinilpirrolidona, dióxido de silício coloidal 200, açúcar granulado, corante amarelo- quinolina, amido de milho, talco, estearato de magnésio, álcool etílico.
    Solução oral (gotas): Cada ml (30 gotas) contém: Dipirona sódica 500 mg. Excipientes: metilparabeno, sacarina1 sódica, metabissulfito de sódio, sorbitol2 a 70%, glicerina, EDTA dissódico, água desionizada.

    ANADOR – Indicações

    Analgésico e antipirético.

    ANADOR – Contra-Indicações
    Dipirona não deve ser administrada a pacientes com intolerância conhecida aos derivados pirazolônicos, ou portadores de determinadas doenças metabólicas, como porfíria hepática ou deficiência congênita da glicose3- 6-fosfato desidrogenase. Como os demais analgésicos, dipirona não deve ser administrada em altas doses ou por períodos prolongados sem controle médico.

    ANADOR – Precauções

    O uso de ANADOR em casos de amigdalite ou qualquer outra afecção da bucofaringe deve merecer cuidado redobrado. Esta afecção preexistente pode mascarar os primeiros sintomas4 da agranulocitose5 (angina6 agranulocítica), ocorrência rara, mas possível, quando se faz uso de produto que contenha dipirona. Seu uso deve ser evitado nos primeiros três meses e nas últimas seis semanas de gestação e, mesmo fora destes períodos ANADOR somente deve ser administrado a gestantes em casos de absoluta necessidade. Quando usado por mulheres que estejam amamentando, dipirona passa para o leite materno; entretanto, até o momento desconhecem- se ocorrências de efeitos prejudiciais para o lactente7. Pacientes com asma8 ou infecções respiratórias crônicas, bem como pacientes com hipersensibilidade a qualquer tipo de substância, podem desenvolver choque9. O uso de comprimidos é inadequado para crianças e adolescentes abaixo de 15 anos. Crianças menores de três meses de idade ou pesando menos de 5 kg não devem ser, tratadas com dipirona, devido à possibilidade de interferência na função renal10, a menos que seja absolutamente necessário. Em pacientes com distúrbios hematopoéticos, ANADOR somente deve ser administrado sob controle médico. Cuidados são necessários em pacientes com pressão sangüínea abaixo de 100 mmHg ou com condições circulatórias instáveis (p. ex: deficiência circulatória incipiente associada ao infarto11 do miocárdio, lesões múltiplas ou choque9 recente). Usar com cuidado em pacientas idosos, com obstrução pilórica ou intestinal, ou com a função metabólica, renal10 ou hepática, debilitada.

    ANADOR – Advertências
    Interromper imediatamente o uso e consultar o médico se surgirem manifestações alérgicas na pele, como prurido12 e placas vermelhas, se houver dor de garganta ou qualquer outra anormalidade na boca ou garganta.

    ANADOR – Interações medicamentosas

    Deve- se evitar o uso concomitante de álcool, pois pode ocorrer interação entre o álcool e o produto. No caso do tratamento concomitante com ciclosporina, pode ocorrer uma diminuição no nível de ciclosporina. Produtos contendo dipirona não devem ser administrados a pacientes sob tratamento com clorpromazina, pois pode ocorrer hipotermia13 grave.

    ANADOR – Reações adversas
    Em pacientes sensíveis, independente da dose, dipirona pode provocar reações de hipersensibilidade. As mais graves, embora bastante raras, são choque9 e discrasias sangüíneas (agranulocitose5, leucopenia14 e trombocitopenia15), que é sempre um quadro muito grave. Outros efeitos indesejados, que podem ocorrer, incluem reações de hipersensibilidade, que afetam a pele (urticária), a conjuntiva e a mucosa16 nasofaríngea, muito raramente progredindo para reações cutâneas bolhosas, às vezes com risco de vida, geral com comprometimento da mucosa16 (síndrome de Stevens- Johnson ou síndrome de Lyell). No evento de tais reações cutâneas, o tratamento deve ser suspenso imediatamente e o médico consultado. Pacientes com história de reação de hipersensibilidade a outras drogas ou substâncias podem constituir um grupo de maior risco e apresentar efeitos colaterais mais intensos, até mesmo choque9. Neste caso, o tratamento deve ser imediatamente suspenso e tomadas as providências médicas adequadas: colocar o paciente deitado com as pernas elevadas a as vias aéreas livres; diluir 1 ml de epinefrina a 1:1.000 para 10 ml e aplicar 1 ml por via intravenosa e, a seguir, uma dose alta de glicocorticóide. Se necessário, fazer reposição do volume sangüíneo com plasma17, albumina18 ou soluções eletrolíticas. Em situações ocasionais, principalmente em pacientes com histórico de doença renal10 preexistente, ou em caso de sobredosagem, houve distúrbios renais transitórios com oligúria ou anúria, proteinúria e nefrite19 intersticial. Podem ser observados ataques de asma8 em pacientes predispostos a tal condição.

    ANADOR – Posologia

    Comprimidos: Adultos e adolescentes acima de 15 anos: 1 a 2 comprimidos, até 4 vezes ao dia. Doses maiores, somente a critério médico.
    Solução oral (gotas): 1 ml = 30 gotas. As dosagens a seguir se aplicam a pacientes de peso normal.
    Adultos e adolescentes acima de 15 anos: 30 a 60 gotas, até 4 vezes ao dia.
    Crianças e adolescentes menores de 15 anos: 13 a 14 anos (46 a 53 kg): 30 a 37 gotas, até 4 vezes ao dia; 10 a 12 anos (31 a 45 kg): 22 a 30 gotas, até 4 vezes ao dia; 7 a 9 anos (24 a 30 kg): 18 a 21 gotas, até 4 vezes ao dia; 4 a 6 anos (16 a 23 kg): 13 a 16 gotas, até 4 vezes ao dia; 1 a 3 anos (9 a 15 kg): 7 a 12 gotas, até 4 vezes ao dia; 3 a 11 meses (5 a 8 kg): 3 a 6 gotas, até 4 vezes ao dia. Crianças menores de três meses de idade ou pesando menos de 5 kg não devem ser tratadas com dipirona, a menos que seja absolutamente necessário. Neste caso, a dose de 1 gota20 até 3 vezes ao dia não deve ser excedida. Doses maiores, somente a critério médico.

    Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

    ANADOR – Superdosagem
    Em caso de superdosagem, os cuidados deverão ser os classicamente utilizados lavagem gástrica, monitorização das funções vitais com terapêutica de suporte, quando necessário; eventualmente, diurese21 forçada a diálise (dipirona é dialisável).

    ANADOR – Apresentações

    Comprimidos: Embalagens com 10, 20, 120, 240, 480 a 500 comprimidos.
    Gotas: Frascos conta- gotas com 10, 15 e 20 ml. Embalagem com 48 frascos conta-gotas.

    BOEHRINGER INGELMEIM do Brasil Química e Farmacêutica Ltda.

    ANADOR – Laboratório

    Boehringer Ingelheim
    Av. Maria Coelho Aguiar,215-Bl. F – 3ºand
    São Paulo/SP – CEP: 05804-970
    Tel: 55 (011) 3741-2181
    Fax: 55 (011) 3741-1648
    Site: http://www.boehringer-ingelheim.com/

    Antes de consumir qualquer medicamento, consulte um médico.

    Tags: , , , , , , , , ,