•  

     

    Xarope 44E®

    guaifenesina
    bromidrato de dextrometorfano monoidratado
    Expectorante e antitussígeno

     Apresentações:

    Xarope em frasco plástico contendo 120 mL + copo dosador.
    USO ORAL
    USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 6 ANOS

     Composição:

    Cada mL de Xarope 44E® contem: guaifenesina 13,33 mg, bromidrato de dextrometorfano monoidratado 1,33 mg, correspondentes a 0,97 mg de dextrometorfano. Excipientes: propilenoglicol, álcool etílico, citrato de sódio di-hidratado, carmelose sódica, ácido cítrico, polioxil 40 estearato, sabor DM heat (álcool etílico, rum, sabor natural de pimenta, propilenoglicol, água e sabor artificial de especiarias), macrogol, benzoato de sódio, sabor artificial de chocolate, sacarina sódica, levomentol, sabor artificial de cereja, metilpropanodiol, corante vermelho FD&C 40, sacarose e água purificada.

     Informações ao Paciente: 

     Para que este medicamento é indicado? 

    Xarope 44E® é destinado a descongestionar as vias respiratórias com um expectorante e a acalmar e aliviar
    a tosse com um antitussígeno. Indicação principal: indicado como expectorante para o alívio da tosse produtiva que geralmente acompanha gripes e resfriados. Indicação secundária: indicado também para o alívio da tosse seca e irritativa, geralmente secundária, que também está presente com frequência nos episódios de gripes e resfriados.

     Como este medicamento funciona?

    A guaifenesina atua como agente mucolítico, soltando e fluidificando o catarro e secreções brônquicas, facilitando assim que o muco excessivo seja eliminado pela tosse. O bromidrato de dextrometorfano monoidratado reduz a frequência de tosse seca e irritativa através de sua atividade antitussígena, aumentando o limiar de resposta aos estímulos tussígenos no centro da tosse, porém fazendo com que a tosse não seja totalmente eliminada, apenas reduzida, permitindo que a tosse remanescente exerça função efetiva expectorante e leve à eliminação do muco com maior facilidade. Este medicamento é utilizado para o alívio das tosses que frequentemente acompanham gripes e resfriados. Apresenta a propriedade muco adesiva que cobre a garganta (faringe) irritada para proporcionar um benefício reconfortante. O Xarope 44E® começa a agir em 15 minutos.

     Quando não devo usar este medicamento? 

    O Xarope 44E® não deve ser utilizado por pacientes que apresentem úlcera ou gastrite, excesso de catarro,
    tosse persistente ou crônica como as que ocorrem em fumantes, em pessoas com asma, bronquite crônica
    ou enfisema, a menos que recomendado por um médico. Não utilizar em caso de alergia/hipersensibilidade a qualquer ingrediente da fórmula. Este medicamento é contraindicado para menores de 6 anos. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

     O Que devo saber antes de usar este medicamento? 

    Não exceda a dose recomendada. Contém 4,37% de álcool. Não utilizar por mais de 5 dias seguidos. Consulte seu médico se a tosse persistir por mais de uma semana, tender a reincidir, ou vier acompanhada de febre, irritação de pele ou dor de cabeça persistente. Uso pediátrico: Não deve ser administrado em crianças com menos de 6 anos de idade, a menos que indicado pelo médico. Em caso de prescrição do medicamento, siga orientação do seu médico, sempre respeitando os horários, as doses e a duração do tratamento. Nesse caso, não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Atenção, diabéticos: contém açúcar. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Interações medicamento-medicamento: Não utilize Xarope 44E® concomitantemente com tranquilizantes ou inibidores da monoamino oxidase (IMAO), ou no período de 2 semanas após utilizar esses medicamentos. São fármacos utilizados geralmente para depressão, doenças psiquiátricas ou emocionais, ou doença de Parkinson. Pode ocorrer aumento de efeitos colaterais se usado em conjunto com antidepressivos inibidores de recaptação da serotonina. Se você não sabe se está tomando um desses tipos de medicamentos, pergunte ao seu médico. Caso os sintomas persistam ou piorem, consulte um médico.
    Interações com exames laboratoriais: Não existem interferências conhecidas por esse produto em exames clínicos ou laboratoriais. Uso em idosos: Não existem recomendações especiais para pacientes idosos. Gravidez e lactação:
    Caso você esteja amamentando, consulte um profissional de saúde antes de utilizar este medicamento. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

     Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30 ºC). Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
    O Xarope 44E® é um líquido límpido de cor avermelhada. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

     Como devo usar este medicamento? 

    Modo de usar: Tomar a dose recomendada para o produto, de acordo com a faixa etária/peso, utilizando o copo dosador do produto. Agite antes de usar.
    Posologia: Adultos e crianças maiores de 12 anos (mais de 43 kg): 15 mL ou uma colher de sopa (200 mg de guaifenesina e 20 mg de bromidrato de dextrometorfano monoidratado). Crianças de 6 a 12 anos (22 a 43 kg): 7,5 mL ou uma colher de sobremesa (l00 mg de guaifenesina e 10 mg de bromidrato de dextrometorfano monoidratado). Crianças abaixo de 6 anos: apenas sob recomendação médica. Repetir a dose a cada 4 a 6 horas até o máximo de 6 doses ao dia. Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação do seu médico ou cirurgião-dentista.

     O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Em caso de esquecer uma dose, tome logo que possível, a menos que esteja perto da próxima dose; não
    tome dose dupla. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

     

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Os eventos adversos do Xarope 44E® são relatados a seguir: Reações muito raras (ocorrem em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): sonolência, náuseas, tontura e distúrbios gastrointestinais.
    Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis
    pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

     O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    A sobredosagem pode causar insônia, náuseas, vômitos, distúrbios gastrointestinais, depressão do sistema
    nervoso central e dificuldades para respirar. O tratamento da sobredose deve ser sintomático envolvendo lavagem gástrica e medidas gerais de suporte. A administração de naloxona mostrou reverter a toxicidade em alguns casos. Em caso de ingestão acidental, procure por auxílio médico imediatamente. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

     Dizeres Legais:

    Registro M.S.: 1.2142.0004
    Farmacêutico Responsável: Gustavo Kooji Miyada – CRF SP: 73.419
    Registrado por: Procter & Gamble do Brasil S.A
    Avenida Guaruba, 740 – Distrito Industrial – Manaus – AM
    Xarope 44E_Bula do paciente_ANVISA Página 4 de 5
    CNPJ: 59.476.770/0001-58
    Fabricado por: Procter & Gamble do Brasil S.A
    Rua Francisco Pereira Dutra, 2405 – Estiva – Louveira – SP
    CNPJ: 59.476.770/0022-82
    Indústria Brasileira
    Marcas Registradas por The Procter & Gamble Co.
    SAC: 0800 701 5515, CAIXA POSTAL 19226, CEP: 04505-970, SÃO PAULO – SP
    SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR, NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS
    PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.
    Esta bula foi aprovada pela ANVISA em 30/01/2017.

    Tags: , , , , , , , , , , ,

  • ibuprofeno-e-um-medicamento-indicado-para-redução-da-febre-e-para-o-alivio-de-doresIbuprofeno

    Apresentações:

    Suspensão oral de 50 mg/ml: frasco com 30 ml.
    Suspensão oral de 100 mg/ml: frasco com 20 ml.
    Uso Oral
    Uso Adulto e Pediátrico acima de 6 meses de idade.

    Composição:

    Cada ml (10 gotas) contém: ibuprofeno …………………………………………….. 50 mg
    1……………………………………………….. 100 mg
    2 veículo q.s.p. ………………………………………….. 1 ml ………………………………………………….. 1 ml
    (ácido cítrico, aroma de baunilha, aroma de cereja, aroma de morango, benzoato de sódio, celulose microcristalina, carmelose sódica, ciclamato de sódio, dióxido de titânio, glicerol, goma xantana, laurilsulfato de sódio, sacarina sódica di-hidratada, simeticona, sucralose, água purificada)
    1 Cada gota contém 5 mg de ibuprofeno.
    2 Cada gota contém 10 mg de ibuprofeno.

    Informações Ao Paciente:

    Para que este medicamento é indicado?

    O ibuprofeno tais como: dores decorrentes de gripes e resfriados, dor de garganta, dor de cabeça, dor de dente, dor nas costas, cólicas menstruais e dores musculares.

    Como este medicamento funciona?

    O ibuprofeno exerce atividades contra a dor e contra a febre. O início de ação ocorre de 15 a 30 minutos após sua administração oral e permanece por 4 a 6 horas.

    Quando não devo usar este medicamento?

    Não utilize este medicamento se você já teve qualquer alergia ou alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. Este produto contém ibuprofeno que pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais a asma brônquica, especialmente em pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico. Não utilize o ibuprofeno caso tenha apresentado alguma reação alérgica ao ácido acetilsalicílico e a outros anti-inflamatórios, medicamentos para dor ou febre. Não utilize este produto contra a dor por mais de 10 dias ou contra a febre por mais de 3 dias, a menos que seja prescrito pelo médico. Não ultrapasse a dose recomendada. Não tome este produto com outros medicamentos contendo ibuprofeno ou outros medicamentos para dor, exceto sob orientação médica. Não utilize este medicamento em casos em que o ácido acetilsalicílico, iodeto e outros anti-inflamatórios não esteroides tenham induzido asma, rinite, urticária, pólipo nasal, angioedema, bronco espasmo e outros sintomas de reação alérgica ou anafilática. Não utilizar ibuprofeno junto com bebidas alcoólicas. Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes com úlcera gastrointestinal ou sangramento gastrointestinal. Este medicamento é contraindicado para menores de 6 meses de idade.

    O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Precauções e Advertências:

    Advertências: O uso de ibuprofeno em crianças com menos de 2 anos de idade e idosos deve ser feito sob orientação médica. Informe sempre o médico sobre possíveis doenças do coração, nos rins, no fígado ou outras que você tenha, para receber uma orientação cuidadosa. Em pacientes com asma ou outras doenças alérgicas, especialmente quando há história de bronco espasmo, o ibuprofeno deve ser usado com cautela. Consulte um médico caso: não esteja ingerindo líquidos; tenha perda contínua de líquidos por diarreia ou vômito; tenha dor de estômago; apresente dor de garganta grave ou persistente ou dor de garganta acompanhada de febre elevada, dor de cabeça, enjoos e vômitos; e tenha ou teve problemas ou efeitos colaterais com este ou qualquer outro medicamento para dor e febre. Consulte um médico antes de utilizar este medicamento se: estiver sob tratamento de alguma doença grave; estiver tomando outro(s) medicamento(s); e estiver tomando outro produto que contenha ibuprofeno ou outro analgésico e antipirético. Pare de utilizar este medicamento e consulte um médico caso: ocorra uma reação alérgica; a dor ou a febre piorar ou durar mais de 3 dias; não obtenha melhora após 24 horas de tratamento; ocorra vermelhidão ou inchaço na área dolorosa; e surjam novos sintomas. Gravidez e amamentação: Não utilizar este medicamento durante a gestação ou a amamentação, exceto sob recomendação médica. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez durante o tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se você estiver amamentando. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez. Durante o período de aleitamento materno ou doação de leite humano, só utilize medicamentos com o conhecimento do seu médico ou cirurgião-dentista, pois alguns medicamentos podem ser excretados no leite humano, causando reações indesejáveis no bebê.

    Interações Medicamentosas:

    O uso de ibuprofeno e de outros analgésicos e antipiréticos junto com os seguintes fármacos deve ser evitado, especialmente nos casos de administração continua: ácido acetilsalicílico, paracetamol, colchicina, iodetos, medicamentos fotossensibilizantes, outros anti-inflamatórios não esteroides, corticosteroides, corticotrofina, uroquinase, antidiabéticos orais ou insulina, anti-hipertensivos e diuréticos, ácido valproico, plicamicina, sais de ouro, ciclosporina, lítio, probenecida, inibidores da ECA (enzima conversora da angiotensina), agentes antico agulantes ou trombolíticos, inibidores de agregação plaquetária, cardiotônicos digitálicos, digoxina, metotrexato e hormônios tireoidianos. Interações medicamento-exame laboratorial Durante o uso de ibuprofeno, os exames de sangue poderão indicar anemia. Se houver sangramento no aparelho digestivo devido ao uso do ibuprofeno, o exame de fezes para pesquisa de sangue oculto poderá ter resultado positivo. O valor da taxa de açúcar no sangue (glicemia) poderá ser mais baixo durante o uso de ibuprofeno. Não existe interferência conhecida com outros exames. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

    Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    Este medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC). Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

    Características do medicamento:

    Este medicamento se apresenta na forma de líquido opaco, viscoso, de cor branca, odor de frutas e sabor adocicado. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

    Como devo usar este medicamento?

    Uso Oral
    Agite antes de usar. Não precisa diluir. Suspensão oral (gotas) 50 mg/ml.
    Crianças: A dose recomendada para crianças a partir de 6 meses de idade pode variar de 1 a 2 gotas/Kg de peso, em intervalos de 8 a 6 horas, ou seja, de 3 a 4 vezes ao dia. A dose máxima por dose em crianças menores de 12 anos de idade é de 40 gotas (200 mg) e a dose máxima permitida por dia é de 160 gotas (800 mg).
    Adultos: Em adultos, a dose habitual do ibuprofeno gotas 50 mg/ml, para febre é de 40 gotas (200 mg) a 160 gotas (800 mg), podendo ser repetida por, no máximo, 4 vezes por dia. A dose máxima permitida por dia em adultos é de 640 gotas (3200 mg). Suspensão oral (gotas) 100 mg/ml.
    Crianças: A dose recomendada para crianças a partir de 6 meses de idade é de 1 gota/Kg de peso, em intervalos de 8 a 6 horas, ou seja, de 3 a 4 vezes ao dia. A dose máxima por dose em crianças com mais de 30 Kg é de 20 gotas (200 mg) e a dose máxima permitida por dia é de 80 gotas (800 mg).
    Adultos: Em adultos, a dose habitual do ibuprofeno gotas 100 mg/ml é de 20 gotas (200 mg) a 80 gotas (800 mg), podendo ser repetida por, no máximo, 4 vezes por dia. A dose máxima permitida por dia em adultos é de 320 gotas (3200 mg). Dose recomendada por no máximo, 4 vezes ao dia: Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

    O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Use a medicação assim que se lembrar. Se o horário estiver próximo ao que seria a dose seguinte, pule a dose perdida e siga o horário das outras doses programadas normalmente. Não dobre a dose para compensar a dose perdida. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Junto com os efeitos necessários para seu tratamento, o ibuprofeno pode causar efeitos não desejados. Apesar de nem todos estes efeitos colaterais ocorrerem, você deve procurar atendimento médico caso algum deles ocorra. Ao classificar a frequência das reações, utilizamos os seguintes parâmetros: Reações comuns (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): Sistema Nervoso Central: tontura. Pele: rash cutâneo (aparecimento de lesões na pele, como bolhas consistentes ou manchas); Sistema gastrointestinal: dor de estômago; náuseas. Reações incomuns (ocorrem entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): Sistema gastrointestinal: indigestão; prisão de ventre; perda de apetite; vômitos; diarreia; gases. Sistema geniturinário: retenção de sódio e água. Sistema Nervoso Central: dor de cabeça; irritabilidade; zumbido. Reações raras (ocorrem entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): Pele: alergia; eritema multiforme (reação do sistema de defesa das mucosas e da pele); necrólise epidérmica tóxica (lesão dermatológica rara); síndrome de Stevens-Johnson (forma grave do eritema multiforme); urticária; síndrome lupus-like; manchas roxas e avermelhadas; sensibilidade da luz. Sistema Nervoso Central: depressão; ansiedade; meningite asséptica (inflamação da camada que reveste o cérebro); confusão mental; alucinações; alterações de humor; insônia. Sistema nervoso periférico: formigamento. Sistema gastrointestinal: icterícia (cor amarelada na pele causada por problemas com a bile); feridas no esôfago; feridas no estômago; feridas no duodeno; hepatite medicamentosa; inflamação no pâncreas; sangramento digestivo. Sistema geniturinário: insuficiência dos rins; morte do tecido dos rins; infecção na bexiga; sangue na urina; aumento da frequência e quantidade de urina. Sangue: anemia, anemia hemolítico (anemia causada pela quebra das células vermelhas); pancitopenia (diminuição das células do sangue); hipoplasia medular (diminuição da atividade formadora dos tecidos orgânicos, pele, músculos); trombocitopenia (diminuição das plaquetas no sangue); leucopenia (diminuição das células de defesa); agranulocitose (diminuição de tipos especiais de células de defesa ); eosinófilo (aumento de um tipo especial de célula de defesa). Visão: visão dupla; redução da capacidade visual; vermelhidão ocular; olho seco. Ouvido, nariz e garganta: diminuição da capacidade de ouvir; inflamação da mucosa nasal; sangramento pelo nariz; edema de glote (reação alérgica, conhecida como “garganta fechada”); boca seca. Sistema cardiovascular: aumento de pressão arterial; infarto do miocárdio; arritmia cardíaca; taquicardia; palpitações; insuficiência cardíaca congestiva; acidente vascular cerebral; vasculite. Sistema respiratório: bronco espasmo; chiado no peito; falta de ar; dor torácica. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    O tratamento da superdose pelo ibuprofeno é de suporte, uma vez que não existem antídotos a este fármaco. Os sintomas podem incluir vertigem, movimento ocular involuntário, parada transitória da respiração, inconsciência, queda da pressão arterial e insuficiência respiratória. Deve-se evitar a provocação de vômitos e a ingestão de alimentos ou bebidas. Procure um serviço médico. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

    Dizeres Legais

    Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.
    Farm. Resp.: Dra. Tatiana de Campos
    CRF-SP nº 29.482
    MS – 1.8326.0194
    Registrado por: Medley Farmacêutica Ltda.
    Rua Macedo Costa, 55 – Campinas – SP
    CNPJ 10.588.595/0007-97
    Fabricado por: Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda.
    Rua Conde Domingos Papaiz, 413 – Suzano – SP
    Indústria Brasileira

    Tags: , , , , , , , , , , , ,

  • salicetil-indicado-para-o-alivio-sintomatico-de-dores-de-intensidade-levesSalicetil®

    ácido acetilsalicílico

    Apresentações:

    Comprimidos – 100 mg – Embalagem contendo 200 ou 500 comprimidos.
    Uso Oral
    Uso Pediátrico

    Composição:

    Cada comprimido contém 100 mg de ácido acetilsalicílico. Excipientes: celulose micro cristalina, croscarmelos e sódica, amido, talco, dióxido de silício, sacarina sódica, corante vermelho nº 2 e aroma de morango.

    Informações ao Paciente:

    Para que este medicamento é indicado?

    O Salicetil® é indicado para: – o alívio sintomático de dores de intensidade leve a moderada, como dor de cabeça, dor de dente, dor de garganta, dor menstrual, dor muscular, dor nas articulações, dor nas costas e dor da artrite; – o alívio sintomático da dor e da febre nos resfriados ou gripes.

    Como este medicamento funciona?

    O ácido acetilsalicílico é a substância ativa do Salicetil® , que pertence ao grupo de substâncias anti-inflamatórias não-esteroides, com propriedades anti-inflamatória (atua na inflamação), analgésica (atua na dor) e antitérmica (atua na febre). O ácido acetilsalicílico inibe a formação de substâncias mensageiras da dor, as prostaglandinas, propiciando alívio da dor.

    Quando não devo usar este medicamento?

    O Salicetil® não deve ser utilizado nas seguintes situações: – Se for alérgico ao ácido acetilsalicílico ou a salicilatos ou a qualquer dos ingredientes do medicamento, se não tiver certeza de ser alérgico ao ácido acetilsalicílico, consulte o seu médico; – Asma brônquica; – Se tiver tendência para sangramentos; – Se tiver úlceras no estômago ou no intestino; – Se já tiver tido crise de asma induzida pela administração de salicilatos ou outras substâncias semelhantes; – Se estiver em tratamento com metotrexato em doses iguais ou superiores a 15 mg por semana; – Se tiver alteração grave da função dos rins; – Se tiver alteração grave da função do fígado; – Se tiver alteração grave da função do coração; – Se estiver no último trimestre de gravidez. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

    O Que devo saber antes de usar este medicamento?

    Advertências: Nos casos seguintes, Salicetil® só deve ser usado em caso de absoluta necessidade e sob cuidados especiais. Consulte um médico se alguma das situações abaixo for seu caso ou se já aplicou no passado. O uso deste medicamento requer cuidados especiais, por exemplo, doses mais baixas ou intervalo maior entre as doses e controle médico, nas seguintes situações: – Alergia a outros analgésicos, anti-inflamatórios e antirreumáticos ou presença de outras alergias; – Uso de medicamentos anticoagulantes como heparina e derivados da cu-marina; – Asma brônquica;
    – Distúrbios gástricos ou duodenais crônicos ou recorrentes e úlceras gastrointestinais; – Mau funcionamento do fígado e rins, ou circulação prejudicada, como insuficiência grave do coração ou sangramentos maiores; – Pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos ( inclusive cirurgias de pequeno porte, como extrações dentárias), pois o ácido acetilsalicílico pode levar a um aumento da tendência a sangramentos após a cirurgia; – Pacientes com predisposição a gota; – Pacientes com deficiência de G6PD (glicose-6-fosfato desidrogenas), doença hereditária que afeta as células vermelhas do sangue, podendo induzir a hemólise (destruição das células sanguíneas) ou anemia hemolítica, com risco aumentado nos casos de dose alta, febre ou infecções agudas. Crianças e adolescentes: Crianças e adolescentes não devem usar este medicamento para catapora ou sintomas gripais antes que um médico seja consultado sobre a síndrome de Reye, uma doença rara, mas grave, associada a este medicamento. Em caso de doença febril, o aparecimento de vômito prolongado pode ser sinal de síndrome de Reye, uma doença que pode ser letal, exigindo assistência médica imediata. Gravidez e amamentação: Você deve informar seu médico a ocorrência de gravidez durante tratamento prolongado com este medicamento. Nos dois primeiros trimestres de gravidez, você só deverá usar Salicetil® por recomendação médica em casos de absoluta necessidade. Você não deve tomar este medicamento nos últimos três meses de gravidez por risco de complicações para a mãe e para o bebê durante o parto. Pequenas quantidades de ácido acetilsalicílico e de seus produtos de metabolismo passam para o leite materno. Como precaução, caso esteja amamentando ou planejando amamentar, você deverá consultar um médico antes de usar este medicamento. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez. Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Não se observaram efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco. Não há necessidade de recomendações especiais para o uso do produto em idosos, crianças ou grupos de risco, desde que observadas as advertências, precauções e posologia mencionadas.

    Precauções:

    Pacientes que sofrem de asma, de rinite alérgica sazonal, de pólipos nasais ou de doenças crônicas do trato respiratório, principalmente se acompanhadas de sintomas de rinite alérgica sazonal, ou pacientes que sejam alérgicos a qualquer tipo de analgésico/anti-inflamatório ou antirreumático, correm risco de sofrerem crises de asma (asma por intolerância a analgésicos). O mesmo se aplica a pacientes que apresentam alergias a outras substâncias como reações de pele, coceira e urticária. Este medicamento não deve ser usado por muito tempo em doses altas sem aconselhamento de um médico ou dentista. Analgésicos usados por longos períodos e em doses altas não recomendadas podem provocar dor de cabeça, que não deve ser tratada aumentando-se a dose do medicamento. Em geral, o uso habitual de analgésicos, particularmente a combinação de vários ingredientes ativos analgésicos, pode causar dano permanente nos rins, com risco de causar insuficiência renal (nefropatia provocada por analgésicos).

    Interações medicamentosas:

    Uso de Salicetil® com outros medicamentos: algumas substâncias podem ter seu efeito alterado se tomadas com este medicamento ou que podem influenciar o seu efeito. Esses efeitos também podem ser relacionados com medicamentos tomados recentemente. O Salicetil® aumenta: – O efeito de medicamentos anticoagulantes como derivado de cumarina e heparina; – O risco de hemorragia gastrintestinal se for tomada com álcool ou medicamentos que contenham cortisona ou seus derivados; – O efeito de certos medicamentos usados para baixar a taxa de açúcar no sangue (sulfonilureias); – Os efeitos desejados e indesejados do metotrexato; – Os níveis sanguíneos de digoxina, barbitúricos e lítio; – Os efeitos desejados e indesejados de um grupo particular de medicamentos analgésicos/anti-inflamatórios e antirreumáticos (não-esteroides); – O efeito das sulfonamidas e suas associações; – O efeito do ácido valpróico. O Salicetil® diminui: – A ação de certos medicamentos que aumentam a excreção de urina (antagonistas de aldosterona e diuréticos de alça); – A ação de medicamentos para baixar a pressão arterial; – A ação de medicamentos para o tratamento da gota, que aumenta a excreção de ácido úrico (por exemplo probenecida, sulfimpirazona); Você deve evitar tomar bebidas alcoólicas durante o uso deste medicamento. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

    Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

    Salicetil® comprimido deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC), protegido da luz e umidade. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

    Características do produto:

    Comprimido redondo, de coloração rósea, plano, chanfrado, com vinco central, odor característico de morango e isento de materiais estranhos. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

    Como devo usar este medicamento?

    Crianças de 6 meses a 1 ano: ½ a 1 comprimido.
    Crianças de 1 a 3 anos: 1 comprimido.
    Crianças de 4 a 6 anos: 2 comprimidos.
    Crianças de 7 a 9 anos: 3 comprimidos.
    Crianças de 9 a 12 anos: 4 comprimidos.
    Estas doses podem ser repetidas em intervalos de 4 a 8 horas, se necessário até um máximo de 3 doses por dia. Em pacientes com mau funcionamento do fígado e dos rins, deve-se diminuir as doses ou aumentar o intervalo entre elas. Os comprimidos de Salicetil® devem ser tomados com líquido, se possível após a ingestão de alimentos. Não tome este medicamento com o estômago vazio. Este medicamento é indicado para o alívio de sintomas ocasionais. Não trate dor ou febre com Salicetil® por mais de 3 ou 4 dias sem consultar seu médico ou cirurgião-dentista. Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

    O Que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

    Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

    Quais os males que este medicamento pode me causar?

    Como qualquer medicamento, Salicetil® pode provocar os seguintes efeitos indesejáveis: Efeitos comuns: dor de estômago e sangramento leve (micro-hemorragias); Efeitos ocasionais: náuseas, vômitos e diarreia; Casos raros: podem ocorrer sangramentos e úlceras do estômago, reações alérgicas em que aparece dificuldade para respirar e reações na pele, principalmente em pacientes asmáticos e anemia após uso prolongado, devido ao sangramento oculto no estômago ou intestino; Casos isolados: podem ocorrer alterações da função do fígado e dos rins, queda do nível de açúcar no sangue e reações cutâneas graves. Doses baixas de ácido acetilsalicílico reduzem a excreção de ácido úrico e isso pode desencadear ataque de gota em pacientes susceptíveis. O uso prolongado pode causar distúrbios do sistema nervoso central, como dores de cabeça, tonturas, zumbidos, alterações da visão, ou anemia devido a deficiência de ferro. Se ocorrer qualquer uma dessas reações indesejáveis ou ao primeiro sinal de alergia, você deve parar de tomar este medicamento. Informe o médico, que decidirá quais medidas devem ser adotadas. Se notar fezes pretas, informe o médico imediatamente, pois é sinal de séria hemorragia no estômago. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

    O Que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

    Se alguém tomar uma dose muito grande, poderão ocorrer efeitos indesejáveis, como tontura e zumbido, sobretudo em crianças e idosos. Esses sintomas podem indicar envenenamento grave. No caso de superdose, contate seu médico, que decidirá sobre as medidas necessárias de acordo com a gravidade da intoxicação. Se possível, leve a embalagem com os comprimidos. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

    Dizeres Legais

    MS 1.0038.0043
    Responsável Técnico: Dr.ª Marcia Rosangela da Silva
    CRF-SP n.º 55.733
    Registrado por: Brasterápica Indústria Farmacêutica Ltda
    Rua Professora Gina Lima Silvestre, 84 – Atibaia/SP
    CNPJ 46.179.008/0001-68
    Indústria Brasileira
    SAC 0800-177887
    sac@brasterapica.com.br
    Fabricado por: Brasterápica Indústria Farmacêutica Ltda
    Rua Olegário Cunha Lobo, 25 – Atibaia/SP

    Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas,procure orientação médica.

    Tags: , , , , , , , , , ,

  • SONRIDOR®
    Paracetamol 500 mg
    Analgésico / Antitérmico efervescente
    Strips de alumínio e polietileno com comprimidos efervescentes acondicionados em cartuchos com 2, 4,10, 12, 20, 24 e 60.

    Forma farmacêutica e apresentação:

    Caixas com Strips de alumínio e polietileno 2, 4, 10, 12, 20, 24 e 60.
    Uso oral – Adultos e crianças com 12 anos ou mais.

    Composição:

    Cada comprimido efervescente de SONRIDOR contém: Paracetamol 500mg; sorbitol em pó 50mg; sacarina sódica 10mg; bicarbonato de sódio 1342mg; povidona 1mg; lauril sulfato de sódio 0,1mg; dimeticona 1mg; ácido cítrico 925mg; carbonato de sódio 134,2mg; água purificada qs.

    Informações ao Paciente :

    Ação esperada do medicamento –
    SONRIDOR tem ação analgésica e antitérmica.
    SONRIDOR promove o alívio da febre, alívio geral da dor de intensidade leve a moderada incluindo dor de cabeça, enxaqueca, dor músculo-esquelética, dor menstrual, dor da osteoartrite, odontalgia, dor pós procedimentos odontológicos, dor após vacinação, irritação da garganta e mal estar por resfriados ou influenza.

    Cuidados de armazenamento:

    Conservar SONRIDOR em temperatura ambiente (temperatura entre 15 e 30°C) e protegido da umidade.

    Prazo de validade:

    Atendidos os cuidados de conservação mencionados acima, SONRIDOR é válido por 48 meses. A data de validade está impressa na embalagem externa e na embalagem de alumínio.

    Gravidez e lactação:

    Como ocorre com outros medicamentos, se você está grávida, planejando engravidar ou se está amamentando, consulte um profissional de saúde antes de usar SONRIDOR. O uso de Paracetamol está contra indicado nos três primeiros meses de gravidez e após este período só deverá ser administrado em casos de necessidade e sob orientação médica.

    Modo de usar:

    Adultos e crianças com 12 anos ou mais: um a dois comprimidos de SONRIDOR dissolvidos em pelo menos meio copo de água (100 mL) a cada 4 ou 6 horas, conforme necessário. A dose máxima recomendada de Paracetamol para adultos é de 4g ao dia. Crianças entre 6 e 11 anos devem usar formulações pediátricas. Crianças abaixo de 6 anos não devem usar a medicação. Não há restrição de uso em idosos por motivos decorrentes da faixa etária. Informe ao médico ou cirurgião dentista o aparecimento de reações indesejáveis.
    Informe ao seu médico ou cirurgião dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
    Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica ou de seu cirurgião dentista.
    Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.

    Contra-indicações:

    SONRIDOR está contra-indicado em pacientes com história prévia de hipersensibilidade ao Paracetamol ou a qualquer outro componente da fórmula.

    Advertências e Precauções de uso:

    Manter fora do alcance de crianças. Não exceder a dose especificada. Na presença de doença renal ou hepática, consulte seu médico antes de tomar o medicamento. Se os sintomas persistirem, consulte o médico. Cada comprimido de SONRIDOR tem 1342mg de bicarbonato de sódio, ou seja, 427mg de sódio por comprimido e deve ser considerado por pacientes em dieta pobre em sódio. Não use outro produto que contenha paracetamol.

    Efeitos colaterais:

    Quando administrado nas doses recomendadas SONRIDOR, em geral, não produz efeitos colaterais. Porém, no tratamento a longo prazo, há relatos de disfunção hepática de intensidade variável, embora raramente ocorra necrose. Sob uso prolongado, podem surgir também discrasias sanguíneas e há relatos de trombocitopenia, pancitopenia, agranulocitose, anemia hemolítica e metahemoglobinemia. O uso por tempo prolongado pode, ainda, provocar o surgimento de necrose papilar renal. Portanto, o uso do produto de modo prolongado deve ser feito sob acompanhamento médico. Reações cutâneas têm sido relatadas e incluem principalmente eritema, urticária ou erupções cutâneas.

    Reações adversas:

    SONRIDOR é em geral bem tolerado. Quando empregado nas doses indicadas são raras as reações adversas e os efeitos colaterais. Não foi descrita produção de irritação gástrica nem capacidade de promover úlceras. Em raras ocasiões, apresentaram-se erupções cutâneas ou outras reações alérgicas. Distúrbios hematológicos, ainda mais raramente, foram relatados.
    Os pacientes que apresentam hipersensibilidade aos salicilatos poderão fazer reação cruzada ao Paracetamol. O efeito adverso mais sério descrito com a superdosagem aguda de Paracetamol é a necrose hepática, dose-dependente, potencialmente fatal. Necrose hepática e necrose tubular renal podem acontecer como resultados de um desequilíbrio entre a produção do metabólito altamente reativo NAPQI e a disponibilidade de glutationa. Porém, quando administrado adequadamente, SONRIDOR é um produto bastante seguro. Dados de segurança, registrados durante mais de 35 anos na Europa, durante os quais mais de 20 milhões de doses de 1g de Paracetamol foram administradas, mostram que a ocorrência de eventos adversos relacionados ao produto é muito pequena, se o mesmo é ingerido nas doses recomendadas.

    Alterações em exames laboratoriais:

    Embora existam poucos relatos de disfunção hepática nas doses habituais de Paracetamol é aconselhável monitorar-se a função hepática nos casos de uso prolongado. Deve-se destacar que, nestas condições de uso prolongado, está recomendado o acompanhamento médico. Sob uso prolongado, podem surgir também discrasias sanguíneas e há relatos de trombocitopenia, pancitopenia, agranulocitose, anemia hemolítica e metahemoglobinemia.

    Ingestão concomitante com outras substâncias:

    Devido à ação de potencialização de anticoagulantes cumarínicos, o Paracetamol não deve ser usado concomitantemente a esses medicamentos. Deve também ser usado com cautela em pacientes que fazem uso regular de álcool e barbitúricos, carbamazepinas, hidantoínas, rifampicina, sulfimpirazona devido ao risco de sobrecarga metabólica com um possível agravamento de comprometimento hepático já existente.

    Uso excessivo:

    O uso de SONRIDOR em quantidade maior que a recomendada pode acarretar alterações hepáticas e ser necessário o atendimento médico. O risco de necrose hepática surge quando doses maiores do que 250mg / kg são administradas, o que é equivalente à ingestão aguda de dose maior do que 17,5g de Paracetamol, considerando-se um adulto de peso médio igual a 70kg. Sabendo que cada comprimido de SONRIDOR tem 500mg de Paracetamol e que a dose máxima recomendada é de 8 comprimidos ou 4g, ao dia, a dose de 17,5 g representaria uma ingestão maior do que 4 vezes a dose recomendada, ou seja, pelo menos 35 comprimidos de SONRIDOR. Nestes casos de uso excessivo, intencional ou acidental, o médico ou o hospital mais próximo devem ser contatados imediatamente e, se possível, a bula ou a embalagem do produto devem ser apresentadas para o atendimento.

    Características:

    SONRIDOR contém Paracetamol (500 mg por comprimido). O Paracetamol exerce sua ação farmacológica como analgésico e antipirético inibindo a síntese das prostaglandinas. Diferencia-se da aspirina por ter pouca ação antiinflamatória, o que o torna livre dos efeitos irritantes gastrointestinais associados ao uso da aspirina e de outros antiinflamatórios não-esteróides. Assim, o Paracetamol não está contra indicado em pacientes com úlceras pépticas. Tendo em vista a longa experiência do uso do Paracetamol no homem, muitas informações da toxicologia animal são consideradas irrelevantes para análise do perfil de segurança em seres humanos. A analgesia deve-se a sua ação depressora seletiva no sistema de percepção dolorosa do tálamo e do hipotálamo, no sistema nervoso central. O Paracetamol reduz a febre por um efeito direto nos centros de termo regulação localizados na região do hipotálamo, no sistema nervoso central, aumentando a dissipação do calor corporal pelo aumento da circulação sanguínea periférica e pela sudorese. O Paracetamol é absorvido com rapidez e quase completamente no trato gastrintestinal. A concentração plasmática é alcançada no máximo em 30 a 60 minutos e a meia vida é de aproximadamente duas horas após doses terapêuticas. A união às proteínas plasmáticas é variável. A eliminação é produzida por biotransformação hepática através da conjugação com ácido glicurônico (60%), com ácido sulfúrico (35%) ou cisteína (3%) seguindo-se a excreção renal, dentro de 24 horas. Hepatotoxicidade tem sido questionada pelo uso do Paracetamol. Tal fato, porém, está relacionado à ingestão excessiva, ocasional ou intencional, de doses muito altas como por exemplo, mais do que 10 gramas/dia. Além dos mecanismos de conjugação citados acima, glicoronidação e sulfatação, uma pequena proporção da substância é oxidada no fígado via citocromo P450 gerando a produção de N-acetil-para-benzoquinoleina (NAPQI), altamente reativo. Embora tóxico, o NAPQI é rapidamente detoxicado pela combinação com glutationa, também no fígado, seguindo-se excreção urinária. Em casos de ingestão excessiva de Paracetamol, acidental ou intencional, as vias habituais de metabolização hepática se tornam saturadas e há acúmulo de NAPQI. O excesso de NAPQI acarreta depleção dos estoques de glutationa hepática e o NAPQI se liga a macromoléculas celulares causando necrose e, eventualmente, falência hepática. Deve-se entretanto ressaltar que as manifestações acima descritas se referem a situações de ingestão excessiva de Paracetamol. Nas doses terapêuticas habituais não há risco significante de agressão hepática nem de outras formas de toxicidade sistêmica.

    Indicações:

    SONRIDOR está indicado como analgésico e antitérmico. Alívio da febre, alívio geral da dor de intensidade leve a moderada incluindo dor de cabeça, enxaqueca, dor escapular, dor músculo-esquelética, dor menstrual, dor da osteoartrite, odontalgia, dor pós procedimentos odontológicos, dor após vacinação, irritação da garganta e mal estar por resfriados ou influenza.

    Contra-indicações:

    SONRIDOR está contra-indicado em pacientes com história prévia de hipersensibilidade ao Paracetamol ou a qualquer outro componente da fórmula.

    Advertências e Precauções de uso:

    Manter fora do alcance de crianças. Não exceder a dose especificada. Na presença de insuficiência renal ou hepática, consulte seu médico antes de tomar o medicamento. Se os sintomas persistirem, consulte o médico. Cada comprimido de SONRIDOR tem 1342mg de bicarbonato de sódio, o que equivale a 427mg de sódio por comprimido o que deve ser considerado por pacientes em uso de dieta pobre em sódio. Paracetamol é contra-indicado nos três primeiros meses de gravidez e após este período só deverá ser administrado em casos de necessidade e sob orientação médica.
    Não use outro produto que contenha paracetamol.

    Efeitos colaterais:

    Quando administrado nas doses recomendadas SONRIDOR, em geral, não produz efeitos colaterais. Porém, no tratamento a longo prazo, há relatos de disfunção hepática de intensidade variável, embora raramente ocorra necrose. Sob uso prolongado, podem surgir também discrasias sanguíneas e há relatos de trombocitopenia, pancitopenia, agranulocitose, anemia hemolítica e metahemoglobinemia. O uso por tempo prolongado pode, ainda, provocar o surgimento de necrose papilar renal. Reações cutâneas têm sido relatadas como eritema, urticária ou erupções.

    Reações adversas:

    Paracetamol é em geral bem tolerado. Quando empregado nas doses indicadas são raras as reações adversas e os efeitos colaterais. Não foi descrita produção de irritação gástrica nem capacidade de promover úlceras. Em raras ocasiões, apresentaram-se erupções cutâneas ou outras reações alérgicas. Distúrbios hematológicos, ainda mais raramente, foram relatados.
    Os pacientes que apresentam hipersensibilidade aos salicilatos poderão fazer reação cruzada ao Paracetamol. O efeito adverso mais sério descrito com a superdosagem aguda de Paracetamol é a necrose hepática, dose-dependente, potencialmente fatal como poderá ser visto mais adiante no tópico sobre farmacodinâmica e toxicologia. Necrose hepática e necrose tubular renal podem acontecer como resultados de um desequilíbrio entre a produção do metabólito altamente reativo NAPQI e a disponibilidade de glutationa. Porém, quando administrada adequadamente, esta é uma substância segura.

    Alterações em exames laboratoriais:

    Embora existam poucos relatos de disfunção hepática nas doses habituais de Paracetamol é aconselhável monitorar-se a função hepática nos casos de uso prolongado. Deve-se destacar que, nestas condições de uso prolongado, está recomendado o acompanhamento médico.

    Pacientes idosos :

    Não há restrição de uso em idosos por motivos exclusivamente relacionados à faixa etária.

    Uso excessivo da medicação:

    Dados de segurança registrados ao longo de mais de 35 anos (1963 a 1999) pelo “UK Medicines Control Agency´s Adverse Drug Reactions On-Line Information Tracking System” evidenciaram, neste período, um total de 2513 relatos envolvendo 4229 reações suspeitas ao Paracetamol, sendo que 1016 estavam associadas com o Paracetamol como agente único sendo que estima-se que 20 milhões de doses de 1g de Paracetamol tenham sido ingeridas neste mesmo intervalo de tempo, o que confere razoável perfil de segurança do produto. Além disso, deve-se comentar que a inclusão de determinado relato neste sistema de registro não implica necessariamente que o evento tenha sido obrigatoriamente causado pela medicação em questão. Nestes aproximadamente 40 anos de vigilância farmacológica do Paracetamol, 522 reações foram relatadas em número de vezes considerado como aceitável para constituir um evento adverso. Destas, mais da metade foram relatos de reações cutâneas e reações anafiláticas. Nos demais casos, o Paracetamol não foi a causa provável da reação adversa suspeitada. Dos óbitos observados sem necessariamente ter relação causal com o produto, houve 55 registros: 8 casos de hemorragia digestiva, ou úlcera péptica, 2 casos de depressão respiratória, 1 caso de isquemia miocárdica, 1 de depressão e 1 de convulsão, nenhum deles tendo o Paracetamol como justificativa. Displasias sanguíneas foram responsáveis por mais 11 dos 55 casos e, enquanto não se pode excluir Paracetamol como causa, sua raridade, a variedade de tipos de discrasia e a grande possibilidade de associação com vários outros analgésicos, sugerem que a associação dos eventos com o Paracetamol seja improvável. Em 20 dos 55 casos, os óbitos foram por insuficiência hepática e em um outro caso houve insuficiência renal sendo que, em todos estes casos havia situações de ingestão excessiva do medicamento. Mais um caso foi registrado como sendo especificamente conseqüente à ingestão excessiva. Em outros 3 dos 55 casos, nefropatia relacionada ao uso de fenacetina e, não ao de Paracetamol, foram registrados. Rim policístico, morte intrauterina, edema cerebral perinatal e hematoma subdural, sendo 1 caso de cada uma destas condições, também estão incluídos nos 55 mas não podem ser considerados como devidos ao Paracetamol. Finalmente, em um caso por edema cardiovascular e um caso por eritema multiforme não foi possível excluir Paracetamol como causa. Entretanto, com exceção de um caso de ingestão excessiva, nenhum destes eventos fatais pode ser atribuído ao Paracetamol com qualquer grau de certeza.
    Em reunião recente, realizada em Setembro de 2002, o FDA (Food and Drug Administration) realizou análise crítica sobre o perfil de segurança de analgésicos, dentre eles o Paracetamol. As recomendações desta agência se limitaram à rotulagem, sem qualquer menção quanto à continuidade ou restrição da presença de Paracetamol no mercado. O referido comitê do FDA limitou-se então a recomendar que na rotulagem de produtos contendo Acetaminofeno esteja claramente indicado que o uso de doses maiores que as recomendadas pode resultar em lesão hepática. Estes dados mostram que o Paracetamol é medicação segura, principalmente se considerada em relação à sua utilização, amplamente difundida nas últimas décadas, o que justifica a permissão para o acesso direto da população a este medicamento.

    Posologia:

    Adultos e crianças com 12 anos ou mais: um a dois comprimidos de SONRIDOR dissolvidos em pelo menos meio copo de água (100 mL) a cada 4 ou 6 horas, conforme necessário. A dose máxima recomendada de Paracetamol para adultos é de 4g ao dia. Crianças entre 6 e 11 anos devem usar formulações pediátricas. Crianças abaixo de 6 anos não devem usar a medicação.
    Não ultrapassar a posologia indicada sem prévia orientação médica.
    Doses maiores do que as recomendadas podem resultar em lesão hepática.
    Não compre o produto se a embalagem estiver violada, danificada ou a validade vencida.
    Não usar mais medicamento do que o recomendado na bula e no folheto de instruções.
    Este medicamento uma vez preparado deverá ser imediatamente consumido.

    TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

    Fabricado por GlaxoSmithKline Dungarvan Ltd., Dungarvan, Irlanda
    Distribuído por GlaxoSmithKline Brasil Ltda.
    Estrada dos Bandeirantes, 8.464 – Rio de Janeiro – RJ
    CNPJ 33.247.743/0001-10 MS 1.0107.0169
    Farm. Resp.: Mariluce L. Ricardo CRF.RJ Nº 3662
    www.sonridor.com.br
    Venda sem prescrição médica
    Nº. de lote, data de validade e data de fabricação: vide embalagem externa
    SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR (0800)211529 Discagem Direta Gratuita

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

  • AAS é indicado para o alívio de dores de intensidade leve a moderada, como, por exemplo, dor de cabeça, dor de dente, dor de garganta, dor muscular, dor nas articulações, dor nas costas, dor menstrual e dor derivada da artrite. AAS também é indicado para o alívio sintomático da dor e da febre durante gripe ou resfriados.

    – Ademais, porém não menos importante, AAS pode ser utilizado como inibidor da agregação plaquetária, contribuindo, dessa maneira, para a redução de acidentes vasculares trombo embólicos, em pacientes com problemas cardíacos, recém operados ou com história prévia de problemas cardíacos.

    AAS®

    Ácido acetilsalicílico

    Forma farmacêutica e de apresentação – AAS®

    AAS comprimidos Adulto: embalagem contendo 200 ou 500 comprimidos.AAS comprimidos Infantil: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos.

    USO ADULTO E PEDIÁTRICO

    COMPOSIÇÃO – AAS®

    AAS Adulto
    Cada comprimido contém:
    ácido acetilsalicílico 500 mg
    excipientes q.s.p. 1 comp.
    Contém: amido de milho, croscarmelose sódica.

    AAS Infantil
    Cada comprimido contém:
    ácido acetilsalicílico 100 mg
    excipiente q.s.p. 1 comp.
    Contém: vanilina, sacarina1 sódica, lactose monoidratada, dióxido de silício, amido de milho,
    corante amarelo nº5, corante amarelo nº6.

    INFORMAÇÃO AO PACIENTE – AAS®

    Ação esperada do medicamento
    AAS é um produto que possui em sua fórmula uma substância chamada ácido acetilsalicílico.
    Esta substância tem a propriedade de baixar a febre (antitérmico), aliviar a dor (analgésico) e
    reduzir a inflamação (antiinflamatório). Por isso, é utilizado para alívio dos sintomas de várias
    doenças como gripes, resfriados e outros tipos de infecções.

    Cuidados de conservação
    AAS deve ser protegido da umidade e deve- se evitar a exposição ao calor excessivo (temperatura superior a 40°C).

    Prazo de validade
    Impresso na embalagem.
    Ao comprar qualquer medicamento verifique o prazo de validade. Não use remédio com prazo
    de validade vencido. Além de não obter o efeito desejado, você poderá prejudicar sua saúde.

    Gravidez e lactação
    Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe também seu médico caso esteja amamentando. AAS não deve ser utilizado no último trimestre de gravidez.

    Cuidados de administração
    AAS deve ser ingerido de preferência após as refeições ou com um pouco de leite. O comprimido INFANTIL (100 mg de ácido acetilsalicílico) deve ser colocado na boca e deixado dissolver.
    Evitar a ingestão concomitante de bebidas alcoólicas.
    Manter o intervalo mínimo de 4 horas entre cada administração; não ultrapassar as doses
    estabelecidas na posologia sem prévia orientação médica. Siga a orientação do seu médico,
    respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

    Interrupção do tratamento

    Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico, pois isto poderá prejudicar o tratamento de sua doença.

    Reações adversas
    Informe seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis com o uso de AAS, em
    especial sintomas como acidez no estômago9, reações cutâneas alérgicas, zumbido, tonteira, e
    outras atribuíveis ao medicamento.
    AAS não deve ser utilizado por pacientes alérgicos a outros analgésicos10 e antiinflamatórios do
    mesmo tipo.

    TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

    Contra- indicações e Precauções
    AAS está contra- indicado a pacientes com doenças no estômago9, fígado11 e rins12. Não deve ser
    usado em hemofílicos e naqueles pacientes que estejam fazendo uso de anticoagulantes. O AAS só poderá ser empregado durante a gravidez e lactação sob orientação médica.

    Crianças ou adolescentes não devem usar este medicamento para catapora ou sintomas gripais antes que um médico seja consultado sobre a Síndrome de Reye, uma rara, mas grave doença associada a este medicamento.

    “O produto AAS infantil contém o corante amarelo de tartrazina que pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais asma brônquica, especialmente em pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico.”

    NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER
    PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.

    INFORMAÇÃO TÉCNICA – AAS®

    Características – AAS®

    O ácido acetilsalicílico pertence ao grupo de fármacos antiinflamatórios não- esteróides, compropriedades analgésica, antipirética e antiinflamatória. Seu mecanismo de ação beseia- se na inibição irreversível da enzima ciclooxigenase, envolvida na síntese das prostaglandinas. O ácido acetilsalicílico também inibe a agregação plaquetária, bloqueando a síntese do tromboxano A2 nas plaquetas.

    Indicações – AAS®

    Para o alívio sintomático da cefaléia, odontalgia, dor de garganta, dismenorréia, mialgia ou artralgia, lombalgia e dor artrítica de pequena intensidade.
    No resfriado comum ou na gripe, para o alívio sintomático da dor e da febre.

    Contra-indicações – AAS®

    AAS está contra- indicado em todos os pacientes com hipersensibilidade ao ácido acetilsalicílico e a outros antiinflamatórios não esteróides. AAS não deve ser empregado em pacientes predispostos a dispepsias ou sabidamente portadores de alguma lesão da mucosa gástrica. Seu emprego deve ser evitado nos pacientes portadores de lesão hepática grave, em hemofílicos e naqueles que estejam fazendo uso de anticoagulantes. A administração deve ser cautelosa nos pacientes com função renal comprometida, particularmente nas crianças, e sempre que o paciente estiver desidratado. O AAS somente deverá ser empregado durante a gravidez sob orientação médica.

    Precauções e Advertências – AAS®

    Não exceder a posologia recomendada na bula sem prévia orientação médica. O ácido acetilsalicílico, que devido a algumas de suas propriedades prolonga o tempo de coagulação sangüínea, não deve ser usado em altas doses nos últimos três meses de gestação, exceto sob estrito acompanhamento médico, pois pode causar problemas no feto ou complicações durante o parto. O mesmo cuidado deve ser tomado em relação às mulheres que estejam amamentando. Existem relatos sugerindo que o uso de ácido acetilsalicílico em crianças e adolescentes com febre devida a infecção viral, especialmente nas gripes ou catapora,
    pode causar uma doença séria, porém rara, chamada “Síndrome de Reye”. Por esta razão, estes pacientes não devem usar este medicamento antes de consultar um médico sobre a “Síndrome de Reye”. O uso de AAS não é aconselhável quando há suspeita de dengue.

    Interações medicamentosas – AAS®

    Alguns efeitos do ácido acetilsalicílico no trato gastrintestinal podem ser potencializados pelo álcool. Pode ser aumentada a atividade dos anticoagulantes cumarínicos e a atividade hipoglicemiante das sulfoniluréias. Os anticoagulantes podem acentuar o efeito hemorrágico do ácido acetilsalicílico sobre a mucosa gástrica. O ácido acetilsalicílico diminui o efeito de agentes uricosúricos como a probenecida e a sulfinpirazona. Barbitúricos e outros sedativos podem mascarar os sintomas respiratórios da superdosagem com ácido acetilsalicílico e tem sido relatado aumento da toxicidade daqueles. A atividade do metotrexato pode estar marcadamente acentuada e sua toxicidade aumentada.

    Reações adversas – AAS®

    O ácido acetilsalicílico pode provocar irritação da mucosa gástrica e sangramento digestivo, sobretudo em dose alta e tratamento prolongado.

    Embora pouco comuns, podem ocorrer casos de hipersensibilidade manifestada por broncoespasmo, asma, rinite, urticária e outras manifestações cutâneas. O uso prolongado do ácido acetilsalicílico em altas doses tem sido associado com diminuição da função renal.

    Posologia e modo de usar – AAS®

    AAS adulto – 1 a 2 comprimidos, podendo repetir a dose a cada 4 ou 6 horas até um máximo
    de 8 comprimidos ao dia.

    AAS infantil – Crianças até 1 ano de idade, a critério médico; de 1 ano a 2 anos, 1/2 a 1 comprimido; de 3 a 5 anos, 1 a 2 comprimidos, de 6 a 9 anos, 2 a 3 comprimidos; de 10 a 12 anos, 4 a 5 comprimidos. Estas doses podem ser repetidas até 3 vezes ao dia, podendo variar segundo orientação médica.

    AAS deve ser ingerido de preferência após as refeições ou com um pouco de leite. O comprimido INFANTIL (100 mg de ácido acetilsalicílico) deve ser colocado na boca e deixado dissolver.

    Superdosagem – AAS®

    Nos casos de intoxicação moderada, o esvaziamento do estômago por aspiração ou êmese,
    ou a lavagem gástrica, serão normalmente medidas suficientes. Nos casos de intoxicação grave (concentrações de salicilato acima de 500 mcg/ml de plasma em adultos e 300 mcg/ml em crianças) deve- se realizar lavagem gástrica juntamente com diurese por infusão intravenosa de solução fisiológica com bicarbonato de sódio, ou Ringerlactato
    ou solução de glicose.

    Pacientes idosos – AAS®

    Nos pacientes idosos, devido deterioração da função renal e gástrica há necessidade de um acompanhamento clínico mais cuidadoso, com o objetivo de evitar efeitos colaterais de maior
    gravidade.

    DIZERES LEGAIS – AAS®

    Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

    Tags: , , , , , , , , , , , , ,