• Propranolol, remédio 13.03.2012

    Testes realizados por cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, revelam que um medicamento usado no tratamento para doenças cardíacas pode ter uma segunda finalidade: a cura para o racismo!

    No teste, dois grupos de 18 pessoas foram formados. Um deles tomou o Propranolol, o remédio para doenças cardíacas, e o outro, placebos. Após tomarem os medicamentos, cada participante fez um teste em que palavras negativas e positivas e imagens de pessoas brancas e negras apareciam na tela de um computador, segundo o jornal inglês The Telegraph. Baseado no tempo em que cada um demorava para realizar a tarefa, os pesquisadores chegaram às respostas.

    Os que tomaram o Propranolol tiveram menores taxas de racismo “implícito” do que aqueles que só ingeriram o placebo. Isso pois, além de combater as doenças cardíacas, o remédio também afeta a parte do cérebro envolvida com emoções e medo. O racismo é fundamentalmente baseado no medo, segundo os pesquisadores.

    Mais de 30% dos voluntários tiveram o resultado do teste negativo, ou seja, eles não tinham tendências racistas subconscientes, características que não foram encontradas em nenhum dos que tomaram o placebo.

    Julian Savulescu, professor da Universidade e co-autor do estudo, diz que a “pesquisa levanta a possibilidade de que as nossas atitudes inconscientes e raciais podem ser moduladas pelo uso de drogas, possibilidade que requer uma análise cuidadosa e ética”.

    Ele também explica que “pesquisas biológicas que visavam melhorar a moral das pessoas tem um passado escuro”. Julian diz que o Propranolol não é uma pílula contra o racismo, mas, “dado o número de pessoas que usaram a droga e tiverem efeitos ‘morais’, precisamos no mínimo entender melhor o que acontece”.

    Posted by Lucio Sergio @ 16:18

    Tags: , , , ,

  • Leave a Comment

    Please note: Comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.