• Sem categoria 24.10.2012

    De cada 10 mil substâncias pesquisadas, apenas uma chega ao consumidor. Veja o caminho que o medicamento percorre para sair da bancada do laboratório e chegar à farmácia mais perto da sua casa

    1. Berço da Ciência

    Tudo começa quando os experts das empresas farmacêuticas, universidades ou centros de pesquisa se debruçam sobre determinada doença e tentam desvendar seu mecanismo. Ao mesmo tempo, eles investigam alguns compostos que podem ser promissores no combate ao problema.

    2. Preliminares

    Aqueles elementos que mostram potencial avançam à fase pré-clínica. Nela, os cientistas procuram saber se um princípio ativo é seguro e não causa muita interferência no corpo. São utilizadas cobaias, animais com a fisiologia parecida à do organismo humano.

    3. Cobaias humanas

    Na fase clínica, homens e mulheres se voluntariam para garantir a segurança e a eficácia das promessas da medicina

    Fase I Convoca-se um número pequeno de pessoas saudáveis – até 100 – para confirmar que aquele possível remédio não causa mesmo chabus.
    Fase II –  Indivíduos com a enfermidade que a droga promete enfrentar experimentam seus efeitos. É essencial checar a eficiência do produto.
    Fase IIIComparam-se os resultados do candidato a fármaco com uma substância inócua ou com medicações que atuam contra aquele problema e já são comercializadas.

    4. Libera, governo!

    Os órgãos regulatórios são responsáveis por aprovar as pesquisas e autorizar a venda das drogas. No Brasil, quem fiscaliza esse processo é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa

    Documentação As empresas enviam um dossiê com as informações dos experimentos feitos sobre a substância. Se os dados forem convincentes, ganham o ok da agência.

    Averiguação A Anvisa é responsável por verificar todas as etapas de produção, desde a compra de materiais até a higiene do local. Fiscais visitam as fábricas e os laboratórios.

    5. Sempre alerta

    Quando o medicamento foi estudado e liberado – o que leva cerca de 12 anos -, as indústrias farmacêuticas iniciam a fase IV, que é ainda mais abrangente e duradoura. As etapas anteriores são refeitas com mais calma e precisão. Essa atenção extra possibilita descobrir efeitos colaterais raros e até mesmo empregos inusitados para pílulas e comprimidos.

    6. A alma do negócio

    Os publicitários criam nomes criativos, fáceis de serem relacionados à doença ou ao poder da droga. A coisa é bem complexa: a nomenclatura precisa servir para todas as línguas. Assim, fazem um levantamento para ver se determinada palavra não é ofensiva em algum idioma.

    Quanto menos, melhor

    De acordo com os laboratórios, existe uma tendência de reduzir, o máximo possível, o uso de cobaias. Essa é uma iniciativa conjunta de órgãos do governo, instituições que lutam pela proibição do uso dos bichos e as próprias empresas.

    Posted by Lucio Sergio @ 20:20

    Tags: , , , , , , , , , , ,

  • Leave a Comment

    Please note: Comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.