•  

     

     

    DERMAZINE
    (Sulfadiazina de Prata 1%)

    Apresentação :

    Bisnaga com 30 g

    Bisnaga com 50 g
    Pote com 100
    Pote com 400 g
    Creme
    Uso Externo
    “USO ADULTO E PEDIÁTRICO”

    Composição :

    Cada 1g do creme contém:
    Sulfadiazina de Prata Micronizada ……………………………………………………………………………… 10 mg
    Excipientes (Álcool cetoestearílico, estearil éter, álcool oleílico etoxilado, metilparabeno,
    propilparabeno, vaselina, propilenoglicol, água deionizada) q.s.p. …………………………………………1g

    Informações ao paciente :

    Como este medicamento funciona ?

    Dermazine é um agente antimicrobiano tópico na terapia de queimaduras1,4-6,16, feridas cirúrgicas27, úlceras12,15,17,18 e escaras infectadas19,20. Previne infecções nos cateterismos vasculares21-24. A ação inicia-se no momento da aplicação.

    Porque este medicamento foi indicado ?

    DermazineÒ trata de feridas com grande potencial de infecção generalizada: queimaduras1,4-6,16,úlceras varicosas12,15,17,18, escaras de decúbito19,20 e feridas cirúrgicas infectadas. Evita infecções em cateterismos venosos e arteriais21-24.

    Contra-indicações :

    O uso não é recomendado, em caso de gravidez a termo, crianças prematuras e recém-natos no primeiro mês de vida, quando a utilização for em grandes áreas do corpo. Dermazine® não deve ser usado em pacientes alérgicos às sulfas e demais componentes da formulação.

    Advertências :

    Quando do uso em áreas muito grandes do corpo, a monitoração dos níveis da sulfa no sangue e da função dos rins tornam-se importantes, apesar da pouca absorção do produto. Dermazine® deve ser evitado em gestantes a termo, recém-natos até um mês e prematuros.

    Precauções :

    Não deve ser aplicado na região dos olhos.

    Interações Medicamentosas :

    Na forma de apresentação do produto, não apresenta interações conhecidas com outros medicamentos. Deve ser utilizado apenas por via local, não ingerir o medicamento. Este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas sem orientação médica.
    Informar ao médico se está amamentando. Informe seu médico se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
    Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.
    Informe ao seu médico o aparecimento de reações indesejáveis.Este produto não deve ser utilizado concomitantemente com enzimas proteolíticas (por exemplo:colagenases, proteases).

    Como devo usar este medicamento ?

    Aspecto fisico :

    O produto apresenta-se como um creme, branco.

    Caracteristicas organolépticas :

    O creme não possui odor (cheiro).

    Dosagem :

    Aplicar uma a duas vezes ao dia.

    Como usar este medicamento ?

    Após limpeza da lesão, aplicar uma camada de Dermazine® creme. Fazer um curativo com gaze. Caso a lesão seja muito úmida, reaplicar o creme uma segunda vez ao dia. O excesso pode ser retirado com uma compressa de gaze ou algodão. Utilizar Dermazine® até a cicatrização da ferida. Siga orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
    Não use medicamento com prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.

    Quais os males que este medicamento pode causar ?

    Pacientes que utilizam o produto em grandes áreas do corpo devem ser acompanhados por médico.

    O Que fazer se alguém usar uma grande quantidade deste medicamento de uma só vez ?

    É pouco provável que ocorra uma superdosagem com o uso do Dermazine®. Eventualmente,a utilização em grandes superfícies pode ocasionar um aumento da concentração da Sulfadiazina de Prata no sangue. Nestes casos,o uso do produto deve ser interrompido imediatamente e o paciente deve procurar o seu médico.

    Onde e como devo guardar este medicamento ?

    Dermazine® deve ser mantido em temperatura ambiente (15°C a 3 0°C). Proteger da luz e umidade.

    Caracteristicas farmacológicas :

    A Sulfadiazina de Prata possui uma atividade antimicrobiana bastante ampla. É bactericida para uma grande variedade de bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, bem como algumas espécies de fungos (Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, algumas espécies de
    Proteus, Klebsiella, Enterobacter e Candida albicans)1,2,3. Há dados bibliográficos suficientes para demonstrar que a Sulfadiazina de Prata possui ação sobre bactérias comumente resistentes a outros agentes antimicrobianos tópicos e que o composto é superior à Sulfadiazina pura4,5, bem como ao Nitrato de Prata6. A atividade antimicrobiana da Sulfadiazina de Prata é mediada pela reação do íon prata com o DNA microbiano, o que impede a replicação bacteriana. Além disto, age sobre a membrana e parede celulares, promovendo o enfraquecimento destas, com conseqüente rompimento da célula por efeito da pressão osmótica. Estudos de farmacocinética demonstram que os níveis séricos de Prata e de Sulfadiazina estão relacionados com a extensão e espessura da ferida, e a quantidade de material aplicado, sendo que estes níveis encontram-se muito abaixo dos considerados tóxicos6,8. Estudos experimentais indicam que a absorção da Sulfadiazina de Prata na pele normal ou com lesões de queimaduras superficiais ou profundas é ínfima. Bult & Plug destacam que na aplicação tópica de Sulfadiazina de Prata, a Prata é liberada lentamente ao redor da ferida, sendo que mais de 99% dos íons Prata permanecem nesta região. A Sulfadiazina de Prata parece estar presente somente na porção superficial da ferida e em torno de alguns apêndices epidérmicos, com muito pouco nas camadas mais profundas. Tais observações têm sido atribuídas à formação de um albuminato de prata a partir da albumina presente na área queimada ou pela formação de complexos de prata com grupos sulfidrila das fibras elásticas abundantes na área cicatricial. Como a absorção através do tecido queimado é muito baixa, a distribuição tecidual foi mensurada após injeção subcutânea de suspensão de Sulfadiazina de Prata, observando-se maior concentração no fígado e baço e níveis relativamente baixos no cérebro. Como sugerido pelo padrão de distribuição da Sulfadiazina de Prata, o componente Prata é excretado pela via hepatobiliar e a Sulfadiazina por eliminação renal. Isto tem sido confirmado por estudos em ratos que receberam doses subcutâneas de suspensão de Sulfadiazina de Prata. A Prata é excretada principalmente nas fezes e a Sulfadiazina predominantemente na urina, sendo que a eliminação da Prata acontece numa taxa bem mais lenta do que a do componente Sulfadiazina.

    Resultado de eficácia :

    Desde 1968, através dos estudos de Fox e colaboradores1 foi demonstrado que a Sulfadiazina de Prata reduziu a mortalidade entre 5 e 20% em oito dias após queimaduras. Adicionalmente a destruição pós-queimaduras da pele e músculo por infecção foi reduzida com a aplicação deste medicamento.  Em 1992, Bishop e colaboradores12 realizaram um estudo prospectivo em pacientes com úlceras venosas com níveis bacterianos comparáveis e demonstraram que a Sulfadiazina de Prata a 1% reduziu de forma estatisticamente significativa o tamanho das úlceras (44% em relação a 22,5% dos que utilizaram placebo).  Tais autores associaram a eficácia desta droga a um favorecimento da replicação de queratinócitos e a propriedades antiinflamatórias da substância.  Posteriormente, Lansdown e colaboradores13 observaram cicatrização acelerada e liberação mais rápida de crostas e debris em animais em que foi utilizada a Sulfadiazina de Prata. Estes autores correlacionam seus achados a uma redução das fases inflamatória e de formação de tecido de granulação, além de maior velocidade de reparação epidérmica. Kjolseth e colaboradores  compararam os efeitos in vivo de seis agentes tópicos freqüentemente utilizados em úlceras e demonstraram que a Sulfadiazina de Prata foi responsável pela taxa de reepitelização mais rápida, além de ter sido um dos principais agentes promotores de neovascularização.Numa revisão sistemática sobre agentes antimicrobianos utilizados no tratamento de feridas crônicas, a Sulfadiazina de Prata foi uma das poucas substâncias citadas como comprovadamente úteis no tratamento de lesões ulceradas de difícil resolução.

    Indicações :

    Prevenção e tratamento de feridas com grande potencial de sepse: queimaduras1,4,5,6,16, úlceras venosas 12,15,17,18, úlceras de decúbito 19,20 e feridas cirúrgicas infectadas. Ação profilática contra infecções em cateterismos venosos e arteriais21-24.

    Modo de usar e conservação depois de aberto :

    Após a limpeza da lesão, aplicar uma camada de Dermazine® creme uma vez ao dia. Fazer um curativo com gaze. Caso a lesão seja muito exsudativa, reaplicar o creme uma segunda vez ao dia, posteriormente o excesso pode ser retirado com uma compressa de gaze ou algodão. Utilizar Dermazine® até a cicatrização da ferida. Não deve ser aplicado na região dos olhos. Dermazine® deve ser mantido em temperatura
    ambiente (15°C a 30ºC). Proteger da luz e umidade.

    Posologia :

    Aplicar uma a duas vezes ao dia. Utilizar Dermazine® até a cicatrização da ferida.

    Advertências :

    Quando do uso em áreas muito extensas de superfície corporal, a monitoração dos níveis séricos da Sulfa e da função renal tornam-se relevantes, apesar da pouca absorção do produto.  Enquanto a Sulfadiazina de Prata está exercendo seu efeito por sobre a superfície lesada, alguma proliferação fúngica dentro ou abaixo da escara pode ocorrer, no entanto a incidência de super infecções fúngicas clinicamente notificadas é bastante rara3,6,25,26. Não deve ser aplicado na região dos olhos. Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o término. Informar ao médico se está amamentando. Dermazine® deve ser evitado em gestantes a termo, recém-natos até um mês e prematuros. Categoria “B” de risco na gravidez. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

    Uso em idosos crianças e outros grupos de riscos :

    Só fazer uso do medicamento sob orientação médica. Observar as precauções, contra-indicações,advertências e só administrar a posologia prescrita pelo médico.

    Reações adversas á este medicamento :

    Raros casos de leucopenia transitória têm sido relatados em pacientes recebendo terapia com Sulfadiazina de Prata. Em geral ocorrendo entre 3 a 4 dias do início do tratamento, com retorno aos níveis normais de 5 a 7 dias, mesmo com a manutenção da terapia6,16.

    Superdosagem :

    É pouco provável que ocorra uma superdosagem com o uso do Dermazine®. Eventualmente, a utilização em grandes superfícies corpóreas pode ocasionar um aumento da concentração sérica da Sulfadiazina e da Prata. Nestes casos, o uso do produto deve ser interrompido.

    Armazenagem :

    Dermazine® deve ser mantido em temperatura ambiente (15°C – 3 00C). Proteger da luz e umidade e na embalagem original para boa conservação.

    Dizeres legais :

    Registro M.S.: 1.1836.0001.004-4
    Registro M.S.: 1.1836.0001.005-2
    Registro M.S.: 1.1836.0001.001-1
    Registro M.S.: 1.1836.0001.002-8
    Farm. Resp. Dra. Tatiana S. de Lima – CRF-RJ 7426
    Lote, data de fabricação e validade: vide cartucho, bisnaga ou pote.
    Fabricado por:
    Silvestre Labs Química e Farmacêutica Ltda.
    Av. Carlos Chagas Filho, 791 – Pólo de Biotecnologia do Rio de Janeiro – Bio Rio
    Cidade Universitária – Ilha do Fundão – Cep: 21.941-904 – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
    Tel: 55 (21) 2142-7777 – Fax: 55 (21) 2142-7734 – CNPJ: 33.019.548/0001-32
    www.silvestrelabs.com.br – silvestrelabs@silvestrelabs.com.br

    INDÚSTRIA BRASILEIRA
    VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
    1. Fox, C L.: Silver Sulfadiazine – A New Topical Therapy of Pseudomonas infection. ARCH
    SURG – Feb 1968, Vol. 96.
    2. Carr HS, Wlodkowski TJ & Cols: Silver Sulfadiazine: In Vitro Antibacterial Activity.
    ANTIMICROBIAL AGENTS AND CHEMOTHERAPY, Nov. 1973, p. 585-587.
    3. Hamilton-Miller JMT, Shah S, Smith C: Silver Sulphadiazine: A Comprehensive In Vitro
    Reassessment. CHEMOTHERAPY 1993 – vol.39, p. 405/409.
    4. Fox, C & cols: Control of Pseudomonas Infection in Burns by Silver Sulphadiazine. SURG.
    GYNECOL. OBSTET.1969 128, 1021.
    5. Klasen H. J.: A Historical review of the use of silver in the treatment of burns. II. Renewed
    interest for Silver. BURNS.2000. (26) 131-138.
    6. Nangia AK., Hung C.T. and. Lim J.K.C: Silver Sulfadiazine in the Management of Burns –
    An Update. DRUGS OF TODAY 1987; 23 ( 1 ): 21-30.
    7. Coward JE, Carr HS & Cols: Silver Sulfadiazine: Effect on the Growth and Ultrastructure of
    Staphylococci. CHEMOTHERAPY 1973. 19: 348-353.
    8. Fox C. L. & Cols: Topical Therapy and the Development of Silver Sulfadiazine. SURG.
    GYNECOL. OBSTET., July 1983, Vol. 157.
    9. Bult, A. and Plug, C.M. Silver sulfadiazine: Analytical Profile of drug substances. K. Florey
    (Ed.) Academic: New York 1984; 13:553.
    10. Wang, X.W., Wang, N.Z., Zhang, O.Z., Zapata-Sirvent, R.L. and Davies, J.W.L. Tissue
    deposition of silver following topical use of silver sulfadiazine in extensive burns.
    BURNS.1985; 11:197.
    11. Sano, F., Fujimori, R., Takashima, M. and Itokawa, Y. Absorption, excretion and tissue
    distribution of silver sulfadiazine. Burns 1982; 8:278.
    12. Bishop, JB et al.: A prospective randomized evaluator-blinded trial of two potential wound
    healing agents for the treatment of venous stasis ulcers. JOURNAL VASCULAR
    SURGERY. 1992; 16:2.
    13. Lansdown ABG, Sampson B, Laupattarakasem P and Vuttivirojana A. Silver aids healing in
    the sterile skin wound: experimental studies in the laboratory rat. BRITISH JOURNAL OF
    DERMATOLOGY. 1997; 137:728-735.
    14. Kjolseth, D et al.: Comparison of the effects of commonly used wound agents on
    epithelialization and neovascularization. JOURNAL OF THE AMERICAN COLLEGE OF
    SURGEONS. 1994; 179:305-12.
    15. O`Meara S.M., Cullum, N.A., Majid M and Sheldon T.A: Systematic review of antimicrobial
    agents used for chronic wounds. BR. J. SURG. 2001; 88,4-21.
    16. Monafo WW, West MA.: Current Treatment Recommendations Topical Burn Therapy.
    DRUGS 1990. 40 (3): 364-373.
    17. Degreef H., Michiels J. L.: 1% Silver Sulfadiazine Cream as a Treatment for Infected Leg
    Ulcers. CURRENT THERAPEUTIC RESEARCH.1984 December, Vol 36, nº 6.
    18. Mellote P., Hendrickx B. & Cols: Efficacy of Silver Sulfadiazine Cream in Treating the
    Bacteriological Infection of Leg Ulcers. CURRENT THERAPEUTIC RESEARCH.1985 Vol
    37, nº 2, February.
    19. Kucan JO. & Cols: Comparison of Silver Sulfadiazine, Povidone-Iodine and Physiologic
    Saline in the Treatment of Chronic Pressure Ulcers. JOURNAL OF THE AMERICAN
    GERIATRICS SOCIETY, May 1981.
    20. Hindryckx PH & Cols: The Treatment of Infected Decubitus Ulcers With 1% Sulfadiazine
    Cream. CURRENT THERAPEUTIC RESEARCH. September 1990, Vol. 18, nº 3.
    21. Mermel L. A. & Cols: Surface Antimicrobial Activity of Heparin-Bonded and Antiseptic-
    Impregnated Vascular Catheters. THE JOURNAL OF INFECTIOUS DISEASES – 1993,
    vol. 167, p. 920/924.
    22. Bach A. & Cols: Prevention of Catheter-Related Infection by Antiseptic Bonding. JOURNAL
    OF SURGICAL RESEARCH – December 1993, vol.55, nº 6.
    23. Schmitt S. K. & Cols: Impact of Chlorhexidine-Silver Sulfadiazine-Impregnated Central
    Venous Catheters on In Vitro Quantitation of Catheter-Associated Bacteria. JOURNAL OF
    CLINICAL MICROBIOLOGY, Mar, 1996, 508-511.
    24. Maki DG. & Cols: Prevention of Central Venous Catheter-Related Bloodstream Infection by
    Use of an Antiseptic-Impregnated Catheter. ANNALS OF INTERNAL MEDICINE, 15
    August 1997, 127: 257-266.
    25. Wlodkowski TJ, Rosenkranz HS: Antifungal Activity of Silver Sulphadiazine. THE LANCET,
    September 1973, 29.
    26. Timothy N. C. Wells e Cols: Mechanism of Irreversible Inactivation of Phosphomannose
    Isomerases by Silver Ions and Flamazine. BIOCHEMISTRY 1995, 34, 7896-7903.
    27. Lloyd James R.: Improved Management of Skin Graft Donor Sites. ARCH. SURG.1974, Vol
    108, April.

    Posted by LucineumaSousa @ 16:00

    Tags: , , , , , , , , , , , ,

  • Leave a Comment

    Please note: Comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.